Unidade Vila Mariana (11) 2275-2516/2276-2835

Unidade Moema (11) 2738-1700/2738-1900

Blog

25 maio

A vovó tá on!

por nossacasa

Quantas vezes você se questionou sobre os milhares de canais de conteúdos que existem na internet?

Tudo o que você buscar, você acha! Tem público para todos os gostos e todos os assuntos. Então, por que as pessoas ainda se espantam quando se deparam com Digital Influencers da Terceira Idade?

Por que não entendem nada sobre tecnologia? Nem precisam entender tão bem, para isso existem os netos, os mais novos.

Por que não estão antenados na modernidade, nos assuntos atuais, nas tendências das blogueiras? Vai pensando que não…

É só dar uma breve busca e ver que tem muita terceira idade aí desenrolando, batendo e jogando de ladinho. Tá bom pra você?

Com toda certeza, eles são os donos dos mais incríveis conteúdos, viveram muita coisa e são personagens reais de infinitas histórias.

Compartilhar a experiência da velhice pode amenizar o medo que muita gente tem de envelhecer.

Nada melhor do que a própria terceira idade mostrar o quão prazeroso pode ser valorizar a longevidade. Comprovar que é possível aprender coisas novas em qualquer momento da vida!

Afinal, quanta experiência essa turma tem!

Vale começar com uma receita de bolo, uma dica de cosmético, um desabafo pessoal ou até mesmo uma dancinha.

Maíla C. D’addìo – Formada em Rádio e Televisão pela Universidade FMU
Radialista DRT 0034310/SP

O que vem na sua cabeça ao ouvir a seguinte frase: “A mamãe precisa ir para uma Casa de Repouso” ?
Mais do que uma pergunta, o artigo de hoje quer propor uma reflexão sobre a decisão acima.

Primeiro, respeite seu sentimento e deixe fluir com sinceridade a primeira coisa que vem à sua mente. Agora, vamos analisar as necessidades da mamãe.
Mamãe está se sentindo só!
Com a correria do dia a dia, a frequência das visitas dos filhos diminui;

Mamãe emagreceu, você reparou?
Com o avanço da idade, o apetite diminui, o paladar fica diferente e isso influencia diretamente na alimentação;

Ela passa muito tempo sentada e se queixa de dor ao levantar.
O corpo sem atividade tende a atrofiar e na terceira idade isso ocorre mais rapidamente;

Ela não lembra onde colocou os óculos nem se tomou o remédio hoje.
A falta de estímulo da memória pode permitir o surgimento de confusões mentais, demência e até mesmo Alzheimer.

E agora, a frase lá do início faz outro sentido pra você?

Na maioria dos casos, tomar essa decisão é na realidade se preocupar com a qualidade de vida da mamãe, titia, irmã ou prima. É zelar pela saúde e bem estar, afinal, em uma Casa de Repouso a mamãe fará novas amizades, as refeições serão diferenciadas e participará de atividades para o corpo e mente.
Quem ama cuida.

Maíla C. D’addìo – Formada em Rádio e Televisão pela Universidade FMU
Radialista DRT 0034310/SP

Mãe.

Já reparou como essa palavra tão pequena carrega um enorme significado?

Mãe é muito mais do que gerar. Mãe é cuidar, criar, encontrar, ensinar, corrigir, consolar, afinal, existem vários tipos de mães.

A mãe que gera: no momento em que se sabe que vai ser mãe, uma transformação acontece, como a mudança do corpo, do comportamento e das emoções; 

A mãe que adota: não é porque o filho não foi gerado em seu ventre que o amor perde a força ou o significado. Mãe é mãe! Mãe que escolhe ou é escolhida pelo filho desenvolve o mesmo dom do amor. Ama e cuida como se fosse seu desde sempre;

Mãe de pet: mãe e gato, mãe de cachorro também é mãe! Os animais são capazes de ensinar sobre o amor puro, genuíno e verdadeiro que muito se assemelha ao amor materno;

Mãe por adesão: aquela pessoa que por opção ou por não poder, não tem filhos mas é dona de um amor maternal para com todos a sua volta. Aquela amiga do abraço confortável que acalma e que todos chamam de mãezona;

E por último, mas não menos importante, a mãe da mãe: aquela que é mãe duas vezes. A doce avó! Existem muitas avós que fazem muito bem o papel de mãe.

Resumindo, mãe é dona de um amor tão grande que é capaz de viver com o coração batendo fora do corpo. 

Maíla C. D’addìo – Formada em Rádio e Televisão pela Universidade FMU
Radialista DRT 0034310/SP

Se a esperança não é a última que morre, então, morremos logo depois dela!

Infelizmente existem diversas situações em nossa vida que não podemos mudar de imediato, é preciso passar por ela pois algo teremos de aprender, mas podemos alterar a forma de encarar, de atravessar principalmente se não deixarmos morrer dentro de nós essa tal esperança!

A esperança deve ser sim a última vela a se apagar.

Como a frase que já ouvimos diversas vezes: só não se dá jeito para a morte.

E assim deve ser, até o último momento acreditar, ter fé e encarar diferente. Mas como fazer isso?

Ninguém disse que é fácil, nem que é impossível!
Comece por praticar um pouco a cada dia. Olhe para o problema de frente, avalie o real tamanho dele e então, aplique a esperança de resolvê-lo. Como se sente? Com certeza mais leve.

É plenamente possível dizer que uma solução pode surgir desse simples exercício.

Faça isso todos os dias ao acordar, aplique esperança em seu despertar! Esperança de um dia com boas notícias, de soluções, de reencontros, de boas risadas, de muita, muita saúde! Crie cenários positivos em sua mente sempre que necessário e sempre que quiser.

Bons livros e filmes também podem ajudar.

Experimente não deixá-la morrer. 

Maíla C. D’addìo – Formada em Rádio e Televisão pela Universidade FMU
Radialista DRT 0034310/SP

Quantas vezes ficamos imaginando como seria a nossa vida se morássemos em determinada casa, se tivéssemos aquele carro, uma outra profissão, se tivéssemos isso, aquilo… Pois bem! Querer é poder!

Se você pensar que pode, pronto, você já pode. Claro que não basta só pensar e esperar, é preciso agir, sair do lugar, da famosa zona de conforto. Se você se enxergou lá, significa que lá pode ser seu lugar.

O primeiro passo é cuidar da saúde: Afinal, sem saúde não somos nada e pudemos perceber isso na Pandemia. Você pode ter o dinheiro que for, ele não compra a sua saúde. Você precisa ser adepto à prevenção;

Aprender coisas novas: já dizia Albert Einstein “A mente que se abre a uma nova ideia, jamais voltará ao seu tamanho original”. Saiba mais sobre mais coisas. Conseguir se virar de diversas formas tem seu lado positivo e também foi possível comprovar isso nos últimos tempos. Você reparou quanta gente teve que se reinventar? É sobre isso;

Se joga no novo: deu medo? Vai com medo mesmo. Lembra da zona de conforto? Saia dela. Se não estiver disposto a mudar, não reclame por sua vida continuar igual;

Sonhe alto: Sonhar não custa nada, mas na hora de planejar, não esqueça de ser realista. Evite frustrações.

E aí, com mais coragem para dar o próximo passo?
Você já pode! 

 

Maíla C. D’addìo – Formada em Rádio e Televisão pela Universidade FMU
Radialista DRT 0034310/SP

A idade chega para todo mundo. É um fato.

A grande questão é como vamos lidar com ela em nossa família e quando chegar a nossa vez. O ideal é que algumas atitudes sejam tomadas o quanto antes. Vamos refletir sobre algumas dicas:

É preciso exercitar a mente: treinar o nosso cérebro é uma das mais importantes medidas que devemos tomar com o passar dos anos. Treinar a memória, o raciocínio lógico, vivenciar tomada de decisão, tudo isso serve para manter a mente sempre ativa afastando a possibilidade de desenvolver doenças como o Alzheimer;

  • Dançaterapia: Já ouviu falar que dançar é uma terapia? Além de reduzir o stress e prevenir a depressão, exercita diversas áreas do corpo e eleva autoestima. Sem contar que na dança é possível fazer novas amizades e ainda conhecer um novo amor;
  • Aprender a falar novas línguas: Quem disser que não é possível aprender um idioma na terceira idade está mentindo! Ótimo exercício para melhorar a memória e agregar cultura. Nunca é tarde para aprender;
  • Praticar exercícios: manter uma rotina aliada a prática de exercícios é com certeza uma receita certa de longevidade e bem estar. Busque a atividade que mais lhe agrada e inicie o quanto antes: hidroginástica, natação, musculação, caminhada, ciclismo, ioga e etc. O importante é se exercitar;
  • Plantar e colher: cuidar de uma horta no quintal ou até mesmo cultivar pequenas plantas e hortaliças num apartamento pode trazer enorme satisfação e senso de responsabilidade, o que é um ótimo estímulo para o bem estar e autoestima.

Anotou? Então, bora praticar e viver bem! 


Maíla C. D’addìo – Formada em Rádio e Televisão pela Universidade FMU
Radialista DRT 0034310/SP

Recentemente foi comemorado o dia do filho.
Não que seja uma data oficial, mas vem ganhando bastante visibilidade ultimamente.
Principalmente neste momento que o mundo ainda atravessa.

Muitas famílias tiveram que se adaptar ao home office, estando mais em casa, próximos aos filhos, que também migraram para o homeschooling. Antes da Pandemia, com a correria da rotina, muitos pais se queixavam por não acompanhar o crescimento dos filhos, suas primeiras palavrinhas, o primeiro passo, o início da alfabetização, e suas tantas outras conquistas.

Pois bem!
Pode se dizer então que, por um lado, o momento proporcionou a oportunidade de uma nova chance de relacionamento entre pais e filhos, uma nova oportunidade de estarem mais próximos.

O tempo passa muito rápido, então, a proposta é realmente interessante!
Algumas reflexões:

  • Por mais passeios simples como um sorvete no meio do dia;
  • Por mais tarefas juntos. Seja o dever escolar do filho ou uma tarefa doméstica. Façam juntos;
  • Por mais conversas. Uma maneira infalível de estreitar os laços de afeto e confiança entre pais e filhos é o diálogo. Queira sempre saber como foi o seu dia.
  • E, por último, diga sempre o quão grande é o seu amor.

Os filhos que crescem com essa certeza no coração costumam ter menos quedas quando a vida fica séria!

 

Maíla C. D’addìo – Formada em Rádio e Televisão pela Universidade FMU
Radialista DRT 0034310/SP

 

 

 

Só não envelhece quem morre cedoNas redes sociais apareceu a seguinte frase: “Xuxa é criticada por envelhecer”.

Mas, me diz uma coisa: alguém tem culpa por envelhecer? É algo proibido, feio e de mal gosto?

Muito pelo contrário, envelhecer significa estar vivo, vivendo apenas mais uma fase da vida. É natural e absolutamente normal.

Proibido, feio e de mal gosto é pensar que a velhice é algo a se ter vergonha, preconceito e falta de respeito! A velhice não é uma doença, e sim um processo natural que todo organismo vivo passa ou passará.

Ninguém é jovem pra sempre, a cada ruga que a pele ganha significa uma luta, uma vitória, uma conquista que marcam uma história de vida. É preciso olhar para a velhice com afeto, com naturalidade e sempre buscar o lado positivo que essa nova fase oferece:
– Descontos em eventos culturais como cinemas e teatros; 
– Possibilidade de passe livre no transporte público;
– Prioridade nos atendimentos de modo geral;
– Possibilidade de isenção de IPTU;
– Possibilidade de encontrar um novo amor;
– A amizades serão as mais fortalecidas;
– Além de ter consigo a vivência de lindas histórias para contar!

Pessoas de idade são interessantíssimas, sente-se com seus avós, pais ou algum idoso que conheça e pergunte sobre sua vida, como era sua infância, como foi seu casamento…

Assim como a juventude, a velhice tem seus encantos!

Só não envelhece quem morre cedo!

Maíla C. D’addìo – Formada em Rádio e Televisão pela Universidade FMU
Radialista DRT 0034310/SP

Você sabe qual a importância de uma Casa de Repouso ou Centro de Longa Permanência? 

Primeiro é preciso se despir de qualquer preconceito e ignorar completamente o termo usado pelas más línguas “depósito de idoso”. Pelo contrário! 

Casa de Repouso ou Centro de Longa Permanência, é um local pronto a atender a terceira idade, que às vezes chega por conta própria, em busca de qualidade nesta fase da vida. E essa qualidade vai além dos cuidados básicos e com a alimentação, por exemplo.

Nesta faixa etária é plenamente possível aprender coisas novas, fazer amizades, participar de atividades e ter uma vida social.

Infelizmente o idoso tende a se isolar ao começar a notar pequenas dificuldades no dia a dia. Os limites devem sim ser respeitados, mas nosso corpo pode sempre aprender e melhorar. Tudo vai depender do estímulo recebido.

Esses lugares oferecem tranquilidade às famílias, que por conta da correria da rotina, não conseguem estar por perto como gostariam e se culpam por isso.
É uma excelente sugestão de nova moradia tornando mais fácil e frequente a visita aos avós, pais, tios e etc. 

Entendeu sobre a importância de uma Casa de Repouso ou Centro de Longa Permanência?!

Maíla C. D’addìo – Formada em Rádio e Televisão pela Universidade FMU
Radialista DRT 0034310/SP

09 mar

A vida passa muito rápido e, quando vemos, a terceira idade já chegou entre nós, nossos avós já se foram e agora chegou a vez de cuidar de quem tanto cuidou de nós, nossos pais.

É hora de retribuir os cuidados, e eles não mediram esforços para que nós tivéssemos qualidade de vida. Então, por que algumas pessoas acham que os idosos só devem receber cuidados diferenciados quando a saúde está debilitada?

Durante toda a vida, nosso corpo e mente precisam de estímulos para uma vida saudável. E isso precisa continuar na terceira idade, senão o organismo enferruja e isso é muito prejudicial.

É sempre bom relembrar algumas dicas importantes:
– Acompanhamento médico regularmente: estar com os exames em dia e atenção a qualquer sintoma ou comportamento diferente;
– Alimentação balanceada: o ritmo de um organismo idoso é outro, uma alimentação com menos calorias e mais legumes, frutas, cereais e peixes por exemplo pode prevenir doenças e melhorar a disposição. Ah, sem esquecer da água!
– Manter os laços familiares e convívio social: os idosos tendem a se isolar por não conseguir acompanhar em determinadas ocasiões. Independente de onde estejam morando, em casa ou em uma instituição de longa permanência, as visitas constantes são de grande importância. Pudemos perceber isso durante o isolamento na Pandemia;

Isso é prevenir. Muito melhor do que remediar.

Pense nisso! 

Maíla C. D’addìo – Formada em Rádio e Televisão pela Universidade FMU
Radialista DRT 0034310/SP