Unidade Vila Mariana (11) 2275-2516/2276-2835

Unidade Moema (11) 2738-1700/2738-1900

Blog

Uma coisa é fato, praticar yoga traz inúmeros benefícios para o corpo e a mente. Por isso, uma escola pública na cidade de BaltimoreEstados Unidos, resolveu substituir as advertências e suspensões por aulas de yoga. Então, os alunos bagunceiros, que não eram poucos, a partir de agora terão que praticar yoga. Um castigo bom, não é mesmo?

Crianças praticando yoga

(crédito foto: reprodução)

Leia mais:

Amigas há 78 anos se mudam para casa de repouso

Cientistas da UFRJ descobrem hormônio capaz de melhorar o Alzheimer

O resultado dessa iniciativa tem sido muito positivo e a Escola Elementar de Fort Worthington tem como objetivo inspirar a mudança em como as crianças lidam com os conflitos durante o dia a dia escolar. Afinal, antes dessa ideia, a escola tinha uma taxa alta de suspensão, e agora os estudantes estão mais focados, disciplinados e equilibrados. A iniciativa é comandada por uma professora chamada Ramone Brown, e garante que os jovens e as crianças estão aprendendo como controlar suas emoções e amenizar a raiva de outras formas.

Isso só mostra mais ainda o quanto é importante ter empatia para educar e não só castigar, não é mesmo?

Fonte: Site GoHurb

As inscrições são gratuitas e começam à partir do dia 10 de fevereiro. São vários cursos, incluindo atividades didáticos-culturais.  

Em sua 52ª edição, o programa USP 60+ oferece 5.643 vagas – gratuitas – entre disciplinas regulares dos cursos de graduação da USP e atividades complementares, que incluem cursos, palestras, excursões, práticas esportivas e didático-culturais. As aulas são ministradas nos campi da USP em Bauru, Lorena, Piracicaba, Pirassununga, Ribeirão Preto, São Carlos e São Paulo, incluindo a Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), na zona leste da capital. O programa, uma iniciativa da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP, é voltado a pessoas com mais de 60 anos, sem necessidade de vínculo com a Universidade, e as inscrições para as atividades do primeiro semestre de 2020 abrem no dia 10 de fevereiro.

(Foto: Comunicação Institucional – PRCEU)

Criado em 1994, o programa Universidade Aberta à Terceira Idade ganhou em 2018 o título USP Aberta à Terceira Idade, e passa, a partir deste ano, a se chamar USP 60+. Segundo o coordenador do programa, o médico Egídio Dórea, a mudança na terminologia tem como objetivo tornar o programa mais inclusivo e diminuir os estereótipos que habitualmente vêm associados ao processo de envelhecer. “Termo cunhado na França (na década de 70), vinha cheio de estigmas. Estava sempre relacionado a doenças, perdas, incapacidade, improdutividade, e não é isso que se vê na prática. Terceira idade é um conceito que foi estipulado a partir de 60 anos, ou 65 anos para países desenvolvidos, e com alguns países mudando para 75 anos. É somente uma convenção social, um fator cronológico”, explica.

Leia mais:

Pet terapia beneficia saúde dos idosos em contato com animais

Em 2030, Brasil terá a quinta população mais idosa do mundo 

 

Outra novidade é que o programa apresenta um aumento de quase 24% em relação aos cursos oferecidos no segundo semestre de 2019. Esse fato se deve, segundo o coordenador, à sensibilização das pessoas em relação à experiência desse grupo de pessoas. “É muito bom ter na sala de aula alunos entre 18 e 20 anos e com mais de 60 anos. É um valioso intercâmbio geracional”, afirma. E acrescenta que foram criados também cursos específicos para essa população acima de 60 anos, como a parceria com o Centro Universitário Maria Antonia e a Unibes Cultural, que promove encontros mensais, sempre às terças-feiras, para discutir temas ligados ao envelhecimento. A intenção, segundo o coordenador, é expandir ainda mais a inserção do programa na sociedade, ou seja, levar o aprendizado a um maior número de pessoas, com atividades extra-campus.

Entre os 255 cursos disponíveis, estão Comunicação Integrada e Eventos em Turismo, Cultura e Educação Afro-Brasileira e Indígena, História da Música, Prática Orquestral, Marketing e Comunicação no Esporte, Gravura em Metal, Redação Publicitária, Epopeia Clássica no Cinema e na Ópera, Percussão Contemporânea e Iniciação ao Latim. Para algumas disciplinas há pré-requisito, mas para a maioria nada é exigido. Há também atividades esportivas exclusivas para pessoas com mais de 60 anos (alongamento, pilates, yoga e até zouk). Além de atividades culturais com especialistas de diversas áreas, como astronomia, artesanato, teatro, e aulas de viola, violão, piano, guitarra, canto e teoria musical, totalizando 121 programas culturais e esportivos.

Para  o coordenador Egídio Dórea, o programa apresenta uma diversidade de assuntos, que contemplam múltiplos interesses. “O programa não é focado somente nos cursos tradicionais da Universidade ou de capacitação profissional, mas também em cursos na área artístico-cultural, ou de idiomas, de história, em que existe o próprio resgate da memória”, afirma, e acrescenta: “São cursos que fazem com que esse público adquira novos interesses e novos propósitos de vida”.

A relação completa de atividades do programa USP 60+ está disponível no site da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária. As inscrições para disciplinas regulares vão de 10 a 14 de fevereiro (limitadas, por ordem de chegada). Para as atividades da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP, no campus da zona leste de São Paulo, o período de inscrições será de 3 a 7 de fevereiro, também por ordem de chegada. Para as demais atividades o prazo é definido em cada unidade. Mais informações pelo telefone (11) 3091-9183, das 8h30 às 12 horas e das 13h30 às 17 horas, e pelo e-mail usp60@usp.br.

Fonte: www.jornal.usp.br

O biólogo Kevin Kumala criou uma sacola feita de mandioca e caso seja jogada no mar, ela pode servir de alimento para peixes. Nascido na Indonésia, Kevin criou a sacola após retornar dos Estados Unidos para o seu país e dar de cara com o acúmulo de lixo em Bali, ilha onde nasceu.

Sacola ecológica

O biólogo criador da sacola ecológica mostrando o produto

 

O biólogo desenvolveu e passou a vender produtos que aparentam ser feitos de plástico, mas têm como matéria-prima o tubérculo, que não prejudica o meio ambiente.

Leia mais: Produtos sustentáveis de higiene e beleza cresce em consumo

Em 2014 ele criou a empresa Avani Eco. Lá, Kevin vende sacolas, canudos, talheres, copos e embalagens, todos feitos com materiais sustentáveis, com tempo de decomposição de cem dias.

“Nossos sacos de mandioca de tamanho médio podem transportar até 8 libras (3,5 kg) se transportar produtos secos”, diz o perfil da empresa no Instagram. Segundo o site da empresa, ela já substituiu três toneladas de produtos não sustentáveis desde 2016.

“Nós buscamos continuamente nos tornar uma ponte para ajudar e encorajar comunidades e negócios a produzirem iniciativas que gerem um impacto sustentável para o meio ambiente. Encorajando o uso do termo ‘responsável’ como um valor central dos três fatores chave: reduzir, reutilizar, reciclar”, diz o site da empresa.

Estima-se que, em 2050, o mundo produzirá 33 bilhões de toneladas de plástico. O material demora 400 anos para se decompor.

Fonte: Portal F11

Às vezes não é necessário ir a um restaurante de classe mundial para desfrutar de uma refeição deliciosa, é simplesmente uma questão de visitar sua avó ou mãe e ela vai oferecer-lhe os pratos caseiros feitos com todo o amor do mundo.

O proprietário de um restaurante em Staten Island, Nova York, se apropriou desse conceito para obter a receita do sucesso.

Na Enoteca Maria, em vez de chefs profissionais das mais altas escolas de culinária do mundo, apenas avós de diferentes partes do mundo trabalham e tem sido um sucesso.

Avós na Cozinha

As avós cozinheiras reunidas com o dono do restaurante

Seu proprietário Jody Scaravella foi inspirado a fazer isso em seu restaurante depois de perder sua própria avó, sua mãe e sua irmã. “Acho que eu estava inconscientemente tentando remendar os buracos da minha vida e ver uma avó italiana na cozinha era uma forma de conforto”, disse ele ao site Gothamist.

A PROCURA

Scaravella começou com isso depois de postar um aviso em um jornal de língua italiana que dizia “donas de casa italianas querem cozinhar pratos regionais”. Em seguida, ele expandiu sua equipe de chefs para avós de diferentes culturas e etnias para adicionar pratos italianos de outras partes do mundo.

Leia mais: Cresce o número de idosos no mercado de trabalho

 

Agora ela tem cozinheiros da Síria, Polônia, Nigéria, Venezuela, Equador, Turquia e França, entre outras nações. Até mesmo sua equipe tem um “avô” que faz massas frescas do local como nhoque ou ravioli.

O restaurante teve um grande sucesso em sua cidade e em todo o mundo porque tem receitas antigas que passaram de geração em geração.

Fonte: Revista CarpeDiem

02 fev

Nossa Casa

por nossacasa

Chega de Férias!

Na Nossa Casa as atividades já começaram a todo vapor! Sabe onde nossas meninas foram se divertir?
No cinema! É isso mesmo. Nossas hóspedes foram assistir “Minha Mãe é uma Peça 3”.

Foi uma tarde muito deliciosa, com direito a um delicioso lanche e muita risada.

Veja algumas fotos.

Cinema Nossa Casa

As meninas a caminho do cinema

Momentos antes do filme começar

Lanchinho pós filme

Elas amaram e já esperam pelo próximo passeio.

Obs: todas as atividades externas têm o consentimento e aprovação dos familiares. Sem contar que eles são super bem-vindos, sempre que queiram estar presente.

Alejandro Colli, é um jovem de apenas 18 anos, mas ele já ajudou os animais mais do que muitas pessoas.

O garoto usa uma impressora 3D para montar montar próteses para cães com deficiência.

Proteses caninas

Sua intenção é apenas ajudar, e ele faz com muito amor e carinho, nunca pedindo nada em troca.

Todos os seus projetos estão sendo compartilhados no Twitter e já viralizaram nas redes sociais.

Quando Alejandro estava prestes a terminar o último ano do ensino médio no Instituto Stella Maris em Lamus (Argentina), ele teve a ideia de comprar uma impressora 3D.

“Vi tutoriais no YouTube e fiz, era só para saber o que era, nunca levei isso como algo sério. Então eu percebi o que era capaz de fazer”, explicou o jovem.

Sua jornada começou fazendo moldes de biscoitos para doces, no qual fabricava para uma pequena empresa que os vendia e ganhava um dinheiro extra.

ROTINA

Logo após os moldes, Alejandro começou a fazer próteses para as patas dos cães, conseguindo ajudar eles a andarem novamente.

Geralmente, próteses feitas sob medida, demorariam cerca de um dia e meio para serem fabricadas, mas quando você as transfere para a impressora 3D, ela faz em cerca de 3 horas.

Algo muito curioso é saber que apesar de ter um preço elevado em diversos lugares, a prótese para animais tem um custo total de 10 dólares.

Surpreso de como as pessoas gostaram de seu projeto, ele diz:

“O que as pessoas agradecem é incrível. Ver um cãozinho voltar à caminhada normal é algo inestimável e sem mencionar a felicidade dos donos. Eles me agradecem, mas não precisam.”

Além disso, Alejandro começou a fabricar cadeiras de rodas, ele assumiu o desafio de novas possibilidades de devolver alguma felicidade aos cães e suas famílias com essas invenções incríveis, ele espera que no futuro conseguir uma impressora maior e também aumentar a produção, para assim ajudar mais.

“Já entreguei mais de 50 peças, tanto no país quanto no Panamá, México, Colômbia e Chile. Hoje, estou me concentrando mais em cadeiras de rodas adaptáveis, que são as mais difíceis e caras de fazer, porque exigem uma invasão por toda a coluna.”

Fonte: Site Portal do Animal

Amigos há quatro anos, Chris Salvatore e Norma Cook passaram a viver juntos depois de complicações no quadro de saúde da aposentada.

Quem disse que não existe amizade sincera no mundo? Ainda mais quando essa amizade é entre duas pessoa com uma diferença de idade muito grande. No caso, 58 anos.

O ator Chris Salvatore, 31 anos, e a aposentada Norma Cook, 89 anos, são amigos há quatro anos e reforçaram a amizade desde que o norte-americano e a idosa passaram a morar juntos em 2016, depois que ela foi avisada pelos médicos que não poderia mais viver sozinha.

(Reprodução)

Leia mais: Como deve ser o relacionamento entre avós e netos

Nora foi diagnosticada com leucemia e tinha passado dois meses no hospital em decorrência de uma pneumonia e outros problemas respiratórios. Assim, Chris, que era vizinho de Norma, em West Hollywood, Califórnia (EUA), a convidou para morar em sua casa para que a aposentada pudesse receber os cuidados médicos que precisava.

 

Financiamento coletivo

Para bancar os cuidados de Nora – que pediam um serviço de enfermaria 24h por dia -, Chris criou uma campanha de financiamento coletivo para arrecadar fundos ao tratamento da amiga.

Até o momento, o crowdfunding arrecadou US$73.080 e superou a meta de US$ 60 000. O dinheiro reunido é utilizado para receber Norma em seu apartamento e para pagar uma enfermeira que cuida da idosa quando Chris não está presente.

Todo o dinheiro que sobrar da arrecadação será revertido em doações para outras pessoas que precisam de cuidados similares aos de Norma.

Fonte: Site Revista Cláudia

Alguns comportamentos transmitem uma má impressão no trabalho. Chegar atrasado, por exemplo, é uma ótima forma de irritar seu chefe, assim como não comparecer a reuniões de equipe ou entregar tarefas com atraso. Mas também existem certas atitudes menos óbvias que podem prejudicar sua carreira em médio ou longo prazo sem você perceber.

Imagem ilustrativa

Vamos te mostrar 5 atitudes que podem acabar prejudicando sua carreira, mesmo que você não perceba o que está cometendo:

  1. Interagir pouco

É natural que às vezes seja necessário ficar mais isolado para se concentrar e focar em tarefas importantes, mas não deixe que isso impeça uma convivência amigável no escritório. Dedique-se a manter boas relações com seus colegas, tanto dentro quanto fora da empresa, e esteja disposto a ajudar quando preciso. Além de tornar sua rotina muito mais leve, o networking pode trazer bons frutos para a sua carreira em longo prazo.

  1. Reclamar demais para seus colegas

Você já deve saber que reclamar constantemente na frente do seu chefe não é uma boa ideia, mas isso se aplica também aos seus colegas. Desabafar de vez em quando pode ajudar a lidar com a pressão, mas cuidado para que assuntos negativos não sejam seus únicos tópicos de conversa no escritório. A negatividade pode afastar colegas e fechar portas para projetos importantes. Por isso, busque focar em aspectos positivos do trabalho e demonstre sua capacidade de superar adversidades. Deixe as reclamações para situações que sejam realmente incômodas

  1. Ficar “acomodado”

Não há nada de errado em estabelecer hábitos saudáveis e produtivos, desde que isso não se transforme em comodismo. É importante sempre buscar novas responsabilidades e desenvolver suas habilidades para continuar se sentindo desafiado no trabalho. Se sente que já aprendeu tudo o que podia no seu cargo atual, talvez seja hora de conversar com seu chefe e pensar em algum tipo de mudança. Uma transferência de área ou promoção podem ser boas oportunidades para voltar a sentir aquele “friozinho na barriga” e não deixar as coisas ficarem confortáveis demais.

Leia também 7 dicas para causar uma boa impressão na entrevista de emprego

  1. Trabalhar até tarde toda noite

Pode parecer que trabalhar até tarde é um sinal de comprometimento e dedicação, mas nem sempre esse é o resultado. A necessidade de fazer horas extras pode indicar que você não está conseguindo administrar bem seu tempo e responsabilidades. Além disso, um estudo publicado no Journal of Epidemology & Community Health constatou que profissionais que trabalham mais horas por semana têm uma propensão maior de apresentar sintomas de depressão. Então, se você costuma passar do horário no escritório, procure planejar melhor sua rotina e reserve tempo para cuidar do seu bem-estar e se dedicar aos seus hobbies. Sua disposição e motivação podem aumentar, junto com sua produtividade!

Fonte: Site Glassdoor

 

Mãe do ator Sylvester Stallone, a promotora e astróloga Jackie Stallone, aos 98 anos, diverte e encanta nas redes sociais ao mostrar a sua vida ativa nos treinos.

Adepta do pilates e da musculação, são várias as postagens que mostram a “mamãe Rambo”, como ela se chama em alguma delas, se exercitando e dando exemplo de vitalidade.

mãe de Silvester Stallone na academia

Jack Stallone, mãe do ator, se exercitando (reprodução do Instagram)

A senhora conta com pouco mais de 19 mil seguidores e costuma publicar novas fotos quase que diariamente, às vezes, muitas delas num mesmo dia.

Algumas postagens são em vídeo. “Hora de voltar à forma”, escreveu em uma delas. “Aula de pilates”, disse em outra.

Fonte: Site Dona Gente

Caminhar

Se você se sentir triste, preocupado ou ansioso, um dos melhores remédios naturais é caminhar. Afaste-se, literalmente, da origem do problema e mergulhe em um ambiente natural. Não há nada melhor do que um passeio agradável para aliviar a dor, livrar-se do estresse acumulado e recarregar as baterias.

De fato, sabe-se que o exercício, e a caminhada em particular, é uma excelente terapia para o tratamento da depressão e da ansiedade. Tem sido demonstrado que a caminhada em ritmo sustentado promove a liberação de endorfinas, hormônios que nos fazem sentir felizes e relaxados, reduzindo a produção de cortisol, o hormônio do estresse.

Além disso, neurocientistas da Universidade de Princeton acreditam que os efeitos de uma saudável caminhada além da produção momentânea de alguns neurotransmissores, e acreditam que a caminhada regular pode até mesmo ajudar a regenerar o cérebro para nos ajudar a lidar melhor com menos stress do problemas cotidianos.

Os “neurônios calmantes” no cérebro

Esses pesquisadores trabalharam com dois grupos de cobaias, um grupo permaneceu ativo e o outro destinado a uma vida sedentária. Depois de caminhar, os cientistas analisaram seus cérebros e descobriram que nos animais que faziam atividade física, alguns neurônios eram ativados, o que inibia a atividade das células nervosas que estavam excitadas demais.

Então eles acrescentaram algum estresse ambiental e encontraram a ativação de neurônios excitáveis ​​no hipocampo, uma região do cérebro envolvida em respostas emocionais. No entanto, animais andando poderiam lidar melhor com essa ativação cerebral, já que até mesmo os “neurônios calmantes” foram ativados para evitar que o impacto da situação fosse excessivo e para manter o estresse sob controle.

Esses resultados, que os neurocientistas também consideram valiosos para os seres humanos, poderiam explicar por que a caminhada nos ajuda a relaxar e esquecer preocupações e dores. Tudo indica que, quando caminhamos, o cérebro ativa os “neurônios calmantes” que inibem o nível de excitação dos neurônios que são a base das preocupações, das lucubrações e do estresse.

Isso indica que a atividade física ajuda a reorganizar o cérebro, tornando menos provável que as pessoas que andam e se envolvam em atividade física regularmente sofram de altos níveis de ansiedade e o estresse interferirá menos durante suas vidas diárias. Basicamente, andar melhora o mecanismo de inibição que impede que as células nervosas mais excitáveis ​​se tornem hiperativas.

Para obter o máximo benefício da caminhada, é melhor escolher um caminho cercado pela natureza

Não é o mesmo andar em uma esteira, entre as quatro paredes de uma academia, na cidade ou no meio da natureza. Neurocientistas da Universidade Heriot-Watt demonstraram isso monitorando a atividade cerebral de 12 pessoas enquanto caminhavam por 25 minutos em um shopping center, em um espaço verde e em uma rua movimentada. O eletroencefalograma móvel monitorava emoções e estados como frustração, meditação, entusiasmo e atenção.

Então descobriram que o relaxamento e a meditação eram mais intensos quando os sujeitos caminhavam pelos espaços verdes. Essas pessoas também se sentiam menos frustradas. Isso ocorre porque em espaços verdes nosso cérebro pode ser completamente desconectado e ativa o que é chamado de “atenção involuntária”, que tem a capacidade de se mover livremente em um estado bastante semelhante à meditação da atenção plena.

Pelo contrário, nas ruas e centros comerciais, temos que estar mais atentos, por isso não temos a oportunidade de nos desligar completamente das nossas preocupações e de não permitir que o nosso cérebro descanse.

Referência: Quero Florescer.

Página 5 de 34« Primeira...34567...102030...Última »