Unidade Vila Mariana (11) 2275-2516/2276-2835

Unidade Moema (11) 2738-1700/2738-1900

Blog

As Festas de Natal e Ano Novo são um período que as pessoas esperam alegremente. Entusiasmam-se com os encontros e as preparações! Mas, para outras pessoas, essas festas geram sentimentos que causam temor, depressão e angústia. São pessoas que fazem contagem regressiva para a hora de tudo acabar e poder voltar a rotina normal.

Esses sentimentos são na maioria das vezes frutos de ansiedade e medo sobre o que vai acontecer. Ou o que não vai acontecer… Sentimentos de insegurança e expectativas podem comprometer a importância do momento presente e de todas as situações que podemos desfrutar.

Quando falamos de idosos e suas famílias, essas festas podem ter conteúdos importantes para explorarmos aqui.

As mudanças e as novas organizações pelas quais as famílias vão passando ao longo dos anos influenciam estes sentimentos. As mudanças de papéis entre os idosos e as pessoas ao redor (quem sempre cuidou, agora precisa ser cuidado e quem sempre foi cuidado agora passa a cuidar) vão trazendo modificações na forma de comemorar essas datas.

Há aquelas famílias que, mesmo com sua estrutura modificada, ainda mantém as reuniões e os encontros familiares. O idoso, muitas vezes era o anfitrião ou anfitriã da família, mas agora não cumpre mais este papel. Para manter ou até promover as tradições familiares, alguém deve assumir esta função.

Também temos a situação da dispersão da reunião familiar. A comemoração dessas festas, pelo fato de o anfitrião da família não estar atuante, acaba. Seja por questões de alguns comprometimentos na sua saúde e na forma de articular e fazer o encontro acontecer. Seja pela perda daquele familiar que liderava os encontros. E assim, muitas vezes, as comemorações vão sendo mais individualizadas e direcionadas para as prioridades de cada um. Ambas são situações que envolvem muita energia e sentimentos que muitas vezes se intensificam nessa época do ano.

Por esse motivo algumas considerações são importantes para que cada um passe por esses eventos com a maior qualidade emocional possível.

1. Cada família tem sua história e sua forma de celebrar essas datas. Importante considerar toda questão cultural, religiosa e até mesmo emocional que as datas despertam. O respeito e o acolhimento pela escolha, especialmente do idoso, quando esse apresenta condições de fazer escolhas, decidir sobre como deseja celebrar essas festas. A compreensão e a união são fatores importantes, mesmo quando nós familiares desejaríamos outras organizações.

2. Considerar o estado atual do Anfitrião da família e as possibilidades de estar junto com ele. Favorecer o máximo possível sua participação no ambiente familiar. Na maioria das vezes, a casa do anfitrião não é mais a casa em que aconteciam os encontros. Por esse motivo favorecer a integração e a participação do idoso ainda nos preparativos é muito importante. Podemos pensar nas seguintes atividades: pedir para o idoso provar o tempero de algum prato típico da família. Manter o idoso por perto enquanto há o preparo da refeição, interagindo com ele, despertando lembranças dos Natais anteriores. Pedir pequenas ajudas como: colocar um prato da pia, ler uma receita da sobremesa, destacar as folhas da salada para serem lavadas. Colocar música, especialmente que o idoso sempre gostou de ouvir e que tenha feito parte da sua história.  Se houver entrega dos presentes entre os convidados,o idoso pode ler os nomes, mesmo se necessitar de ajuda. Ler uma oração, se for tradição da família.

3. Nas festas de final de ano, especialmente quando o idoso, já com declínio cognitivo e com diminuição da sua autonomia, se desloca da sua moradia para passar as festas na casa dos familiares é de extrema importância respeitar sua rotina e os seus horários (horários do banho, das refeições, das caminhadas). Este cuidado singular e uma interação bem próxima com o idoso pode ajudá-lo a se sentir seguro no novo ambiente.

4. Que cada conflito vivenciado sobre como será a participação de cada membro da família no cuidado com o idoso que possa haver possibilidades de superação e de promover a união e o respeito entre todos aqueles que fazem parte da construção e manutenção de cada família.

Enfim, independente de qual situação o idoso esteja e qual seja o seu diagnóstico o mais importante é que esse idoso possa ser estimulado e acolhido, dentro de suas condições.

Mesmo com todas as probabilidades de novos comprometimentos que possam ir surgindo ano após ano, que o idoso sinta-se importante para a família e amado por todos. Em situações de muita dependência e auxílio total para as atividades da vida diária há uma chance para cada familiar, dentro de suas condições, desenvolver o cuidado e expandir  o AMOR. Devemos sempre oferecer um cuidado digno para aqueles que hoje necessitam desse amparo.

 

Fonte: idosos.com.br/

miss

Concurso foi realizado com muita música e diversão na sexta-feira, na Estação Atibaia. 

Com muita animação, música e diversão, o Concurso Miss e Mister Terceira Idade elegeu os representantes da cidade para o próximo ano: Janete Fernandes Taverna e Raimundo Julião da Silva Filho! O evento aconteceu no último dia 30 de novembro, na Estação Atibaia, e contou com a presença do prefeito da Estância de Atibaia, Saulo Pedroso de Souza, e da primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Simone Cardoso.

A música ficou por conta do Trio Los Angeles e da banda Tempero Latino e a votação ficou com a comissão técnica, que avaliou 11 homens e 20 mulheres inscritos. Os quesitos julgados foram: Simpatia, Desenvoltura e Elegância.

Os vencedores representarão Atibaia no Concurso Estadual Miss e Mister da Terceira Idade de 2019 e terão a responsabilidade de representar a cidade sempre que necessário, até a realização do próximo concurso. Também foram eleitos a Miss e o Mister Elegância, Maria da Glória Martins e Benedito José Barbosa, e Miss e Mister Simpatia, Neusa Miranda e Nilo Braga.

O prefeito Saulo Pedroso destacou que o concurso é feito com muito carinho e que a administração municipal se esforça para fazer um evento cada vez melhor, à altura da sociedade maravilhosa que os idosos de Atibaia ajudaram a construir. “Tudo que a gente fizer, é pouco perto do que vocês merecem”, disse aos idosos que nasceram na cidade e aos que a escolheram para morar.

Também prestigiaram o evento, o coordenador Especial do Idoso, Marcos Moura; a secretária de Assistênciae Desenvolvimento Social, Magali Basile; a presidente da Câmara, vereadora Roberta Barsotti; e o presidente do Conselho Municipal do Idoso (CMI) de Atibaia, Augusto Luppi; além de familiares e amigos dos participantes.

O concurso foi realizado pela Prefeitura da Estância de Atibaia, em ação conjunta da Coordenadoria Especial do Idoso, do Fundo Social de Solidariedade de Atibaia e do Conselho Municipal do Idoso de Atibaia (CMI), com apoio da WM Eventos.

Fonte: prefeituradeatibaia.com.br

Um pensionista holandês de 69 anos iniciou uma ação legal pedindo para que um tribunal o autorize a mudar a idade que tem no seu documento de identificação, passando a ser identificado como tendo menos 20 anos.

Na foto, o holandês de 69 anos que pediu para legalmente mudar de idade

Na imagem, o holandês Emile Ratelband.

Emile Ratelband, nascido a 11 de março de 1949, apresentou um pedido no passado para que a sua data de nascimento fosse alterada oficialmente para 11 de março de 1969, mas o órgão em causa recusou, segundo conta o De Telegraaf. Na sequência dessa decisão, Ratelband entrou agora com uma ação legal em tribunal contra o Governo holandês, alegando que, se o Estado permite a qualquer cidadão que alterar o seu nome ou o seu género, então também lhe deveria ser autorizada a mudança de idade.

“Pode-se mudar de nome. Pode-se mudar de gênero. Por que não de idade? Não há questão com tanta discriminação como com a idade”, declarou Ratelband ao jornal holandês, citado pelo britânico The Telegraph. “Fiz exames e o que é que eles revelam? Que a minha idade biológica corresponde aos 45 anos”, garante o pensionista.

As motivações para a mudança prendem-se com as “discriminações” que Ratelband diz sofrer devido à idade, tanto a nível profissional e pessoal. “Com 69 anos, estou limitado. Com 49 posso comprar uma casa nova, conduzir um carro diferente, arranjar mais trabalho”, explica. “Quando estou no Tinder e lá diz que tenho 69 anos, não recebo nenhuma resposta. Com 49, com a cara que tenho, ficaria numa posição de luxo.”

Em tribunal, o juiz disse compreender o argumento de Ratelband que compara a mudança de idade à de gênero, já que em tempos tal teria sido impensável. Contudo, explicou, o tribunal tem dificuldades em dar-lhe razão, já que ao permitir alterações de idade abriria espaço a vazios legais sobre o passado dos cidadãos. Sem a existência legal de Ratelband entre 1949 e 1969, o que fazer a esses anos? “Quem é que os seus pais tomavam conta nessa altura então? Quem era esse rapazinho?”, questionou o juiz.
O tribunal tomará uma decisão final sobre o caso dentro de um mês.

O tribunal tomará uma decisão final sobre o caso dentro de um mês.

Fonte: Observador

cartao-do-idoso

O governo federal e estadual vem oferecendo vários benefícios a diferentes classes de cidadãos visando facilitar as suas vidas, e para as pessoas da terceira idade, é disponibilizado o Cartão do Idoso 2019.

Não deixe de conferir os próximos tópicos e saiba mais detalhes de como este documento funciona e como você pode fazer para ter o seu.

Cartão do Idoso 2019

Um dos maiores desafios enfrentados por quem tem mais de 60 anos está na locomoção, seja em viagens no próprio município, estaduais ou interestadual. Por conta disso foi desenvolvido o Cartão do Idoso para facilitar as viagens deste grupo de brasileiros.

A lei que regulamenta esse benefício foi definida em 2006, e segundo ela, o idoso que tiver este cartão qualifica a obter descontos ou até mesmo isenção no pagamento durante as suas viagens.

Para garantir que este benefício realmente funcione, a lei obriga todos os ônibus convencionais a reservarem no mínimo 2 lugares par10a os idosos. É importante ter em conta que esta obrigação não vale para os ônibus leito ou executivo.

Para evitar constrangimentos e falta de assento, é recomendado que o idoso realize uma reserva antecipada do seu bilhete. Para distâncias que não excedem os 500 km, a reserva deve ser realizada com 6 horas de antecedência. Agora, para o idoso que vai viajar por mais de 500 km, é necessário que a reserva seja efetuada com 12 horas de antecedência.

Como Fazer o Cartão do Idoso

Quem deseja obter esse documento deve procurar se informar no seu próprio município, pois o processo de obtenção do mesmo não é o mesmo para todos os municípios brasileiros. Também vale salientar que dependendo da sua localidade, este cartão pode oferecer gratuidade no transporte ou acesso aos assentos reservados.

Confira os locais onde você pode se dirigir para realizar a requisição do seu Cartão Idoso 2019 no seu município, logo abaixo:

• Prefeitura do Município;
• Agências de transporte público do município;
• Detran do Município;
• Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) do município.

Na hora de se dirigir a um posto de atendimento para a obtenção do Cartão Idoso, é necessário que se tenha em mãos os seguintes documentos:

• Comprovante de endereço;
• CPF e Documento de Identidade;
• Licenciamento do Veículo (para o idoso que deseja o acesso ao estacionamento prioritário);
• 1 foto 3×5;

Quem tem Direito ao Cartão do Idoso

Em geral, toda pessoa brasileira com mais de 60 anos de idade tem direito de receber a carteirinha do idoso.

Quanto aos benefícios, somente os idosos com mais de 65 anos podem usar o transporte urbano e semiurbano de forma gratuita.

Para o idoso com 60 anos é disponibilizado o acesso às vagas reservadas nos estacionamentos.

Como Renovar o Cartão do Idoso 2019

Para continuar a ter acesso aos benefícios reservados ao idoso, é necessário que seja feita a renovação do Cartão do Idoso.

A renovação desse documento é totalmente gratuita, e o beneficiário somente precisa de ter consigo os documentos que usou na primeira via da carteirinha do Idoso para poder obter uma nova.

Quanto ao local de renovação, este pode ser o mesmo em que você emitiu a primeira via do documento ou outro centro de atendimento situado no seu município.

Fonte: PIS 2019

starbucks

Starbucks resolveu ir além das discussões sobre a importância da inclusão social de pessoas mais velhas.

A empresa inaugurou em maio deste ano uma loja no México totalmente operada por pessoas entre 60 e 65 anos de idade.

Essa uma oportunidade de inclusão social para quem está fora do mercado há algum tempo, mas quer manter sua cabeça ocupada e ganhar uma renda para complementar a aposentadoria.

O projeto surgiu através de uma parceria com o Instituto Nacional para Pessoas Idosas (INAPAM) do país – a Starbucks assinou um contrato de vínculo empregatício com o Instituto em 2013.

A loja fica situada no distrito de Coyoacan, na Cidade do México. Seus 14 funcionários – entre baristas, supervisores e especialistas em café, ou “coffee masters” – recebem, além dos benefícios regulares, outros adicionais: aumento no seguro médico total, dias extras de folga e um turno de trabalho de seis horas e meia.

“Levamos dois anos para chegar ao melhor modelo para contribuir com a comunidade de idosos no México. Abrir as portas de nossas lojas para baristas seniores não foi uma meta, foi um ato de congruência com a filosofia de inclusão da Starbucks”, disse Christian Gurria, diretor da Starbucks México.

A Starbucks México pretende empregar 120 idosos até o final de 2019. Segundo a empresa, essa força de trabalho traz vantagens para o grupo de colaboradores como um todo: ajuda no desenvolvimento das equipes com sua experiência e também diminui a rotatividade do quadro de funcionários.

E aqui no Brasil?

Por aqui, a rede ainda não tem planos de abrir uma loja operada apenas por funcionários acima dos 60 anos de idade. Porém, a Starbucks Brasil disse em um comunicado para o Instituto Longevidade “seu compromisso de criar uma cultura que valorize e respeite a diversidade e a inclusão de seus ‘partners’, como chamamos os funcionários”.

Fonte: Bem Mais Mulher

29 out

aplicativos

Os idosos costumam ser injustiçados quando a questão é a sua capacidade. Os preconceitos lançam sombras sobre seu potencial de trabalho, de sexo e até de uso da tecnologia – coisa de jovem, dizem muitos. Os números, porém, sugerem o contrário. Segundo dados de 2015 da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), do IBGE, o número de pessoas com mais de 60 anos que usam a internet passa de 80% no sul e sudeste no Brasil e não é menor que 67% no restante do país. Já um estudo da AVG Technologies, empresa de segurança na internet, afirma que três em cada quatro pessoas da terceira idade usam o Facebook, e quatro em cada cinco têm um smartphone.

Assim como as crianças, jovens e adultos, no entanto, eles também precisam de produtos mais específicos, desde um site de relacionamentos e paquera a orientações médicas. E é cada vez maior, por conta disso, o número de aplicativos voltados especialmente para eles. Conheça alguns:

EyeReader

Ele transforma o smartphone numa lente de aumento. Basta colocá-lo na frente de um rótulo com aquelas letras miúdas, por exemplo, que o aplicativo não só aumenta o tamanho do texto na tela como o ilumina. Os óculos de leitura podem ficar em casa quando se tem um aplicativo desses nas mãos. Disponível para iOS.

Lumosity

Este app é para treinar memória e atenção. É um conjunto de jogos, frequentemente atualizados para não enjoar, que têm como objetivo estimular o uso do cérebro. Com dezenas de milhões de downloads no mundo todo, ele é projetado para pessoas da terceira idade a fim de estimular a lucidez. Disponível para Android e iOS.

Red Panic Button

Este aplicativo pode ser muito útil para idosos independentes. Ele é feito para que o usuário peça ajuda em caso de uma emergência, como um mal-estar ou uma queda. Basta apertar o grande botão vermelho no meio da tela para pedir ajuda. O aplicativo envia uma mensagem por qualquer meio que o usuário quiser (Twitter, SMS, e-mail, etc.) para quantas pessoas quiser. A mensagem vai com um link com mapa de localização. Disponível para Android e iOS.

Caixa de Remédios

Nem é preciso ser idoso para ter mais propensão a esquecer a hora de tomar um remédio. Mas com a idade o número de medicamentos diários tende a subir, e não é tarefa fácil para ninguém se lembrar de todos na hora certa. Este aplicativo organiza uma agenda e faz os lembretes na hora necessária. Se quiser, uma mensagem pode ser enviada também para um familiar ou cuidador para que ele não deixe o usuário esquecer. O aplicativo também traz bula, dosagens e vai armazenando dados de tudo que está na caixa real de remédios usados eventualmente. Disponível para Android e iOS.

Fonte: Dialogando

cruzeiros

Foto: Filippo Vinardi

Tidos como artigos de luxo, glamour e status, os cruzeiros são a nova ‘onda’ de idosos por conta das ofertas especiais

Atraídos por promoções nos pagamentos de pacotes de viagens, idosos estão apostando nos passeios marítimos como a nova onda de diversão no Rio de Janeiro. Há minicruzeiros com mensalidades que não chegam a R$ 160 e destinos paradisíacos, partindo da Cidade Maravilhosa. As principais empresas e agências marítimas estimulam quem tem mais de 60 anos a embarcar em transatlânticos. De acordo com as companhias, o público da terceira idade já representa 30% da clientela, o equivalente a três vezes mais que na década passada.

Segundo economistas e consultores, a hora de ‘surfar’ nas facilidades ofertadas é agora. “Foi dada a largada para as reservas de cabines para a temporada de cruzeiros no litoral brasileiro. Entre novembro e abril de 2019, ao menos seis super embarcações estarão navegando pelas águas fluminenses”, lembra a executiva de contas da agência de viagens Quatro Cantos, Fernanda Azalin. A programação completa e os detalhes de cada embarcação, podem ser conferidos no site www.piermaua.rio.

A Quatro Cantos é uma das revendedoras de pacotes que abriu até convênios com associações de aposentados. Como fez no Sul Fluminense, oferecendo mimos para conquistar novos clientes sexagenários em Volta Redonda. O acordo com a entidade local garante a divisão de valores para aposentados em até dez vezes, concede 5% de desconto nas tarifas, ou transfer gratuito do município até o Píer Mauá, a 120 km de distância, e vice-versa.

Para a próxima temporada, os tamanhos dos navios e suas estadias aumentarão, passando para 490 mil leitos capacidade 13% maior em relação ao último período. “Fizemos os cálculos e vimos que um cruzeiro de quatro noites, em fevereiro de 2019, entre Rio-Ilha Grande-Ilha Bela, está dentro dos nossos orçamentos”, justificou a professora aposentada Rosimeri Dias, 61 anos, que viajará com as amigas Lisete Santos, também de 61 anos, e Lenice da Silva, 55. Cada uma pagou R$ 1.576,50, divididos em dez vezes (de R$ 157,65). “E ainda teremos o transporte Volta Redonda-Rio-Volta Redonda, gratuito”, comentou Lisete.

“Cruzeiro de quatro dias é uma das modalidades mais requisitadas na faixa etária um pouco mais avançada, uma vez que o trajeto não cansa”, completou a corretora de viagens, Mônica Prestes.

O aposentado Paulo Ritto, 60, também foi pesquisar vantagens com o vendedor de estadias marítimas, Diogo Matheus. “Ainda estou com uma doce dúvida para onde ir. As ofertas estão excelentes”, ressaltou.

Luxuosos, os navios gigantes encantam pelas atrações, como teatros de até três andares, piscinas semi-olímpicas, cinemas em mega telas 4D, cassinos, discotecas, academias de ginástica, bares temáticos, réplicas de campos de golfe e simulador de Fórmula 1.

Verdadeiros hotéis flutuantes, onde se pode encontrar conforto de um resort, os navios, como os do grupo MSC Cruzeiros, costumam ter programações especiais para idosos, como palestras de saúde e nutrição, alongamento ao ar livre, aulas de dança, torneios de baralho e concursos de karaokê.

Para o educador financeiro Ricardo Silva, os clientes devem atentar para não acabar gastando demais além das passagens. “Tudo exige planejamento minucioso, sobre cada centavo. Para escolher pacotes, o ideal é muita pesquisa online”, ensinou o profissional, orientando ainda a criação de orçamento próprio para a viagem escolhida e planejamento com pelo menos um ano de antecedência, especialmente para cruzeiros internacionais.

Fonte: O Dia

tirolesa

Jack Reynolds, de 106 anos, um tataravô da Inglaterra, quebrou recentemente o Recorde Mundial do Guinness sendo a pessoa mais velha andar de tirolesa. Reynolds quebrou o recorde no mês passado enquanto comemorava seu aniversário de 106 anos.

Reynolds tem o hábito de fazer coisas interessantes em seus aniversários e dessa vez acabou no Guinness Book of World Records. Reynolds também está no Guinness como sendo a pessoa mais velha a fazer uma tatuagem, o que aconteceu em seu 104º aniversário, e a pessoa mais velha a andar em uma montanha russa em seu aniversário de 105 anos.

Reynolds usou sua visibilidade batendo recordes como uma oportunidade para arrecadar dinheiro para várias instituições de caridade.

Sua filha, Jayne, disse: “Ele decidiu usar sua velhice para ganhar dinheiro para caridade, esse é o seu principal motivo, mas, enquanto isso, ele está se divertindo muito. “Tornou-se de certa forma uma tradição que no meu aniversário eu use minha nova era para ajudar a arrecadar dinheiro para instituições de caridade dignas”.

Fonte: Fique Sabendo

Entre 2006 e 2016, o número de consumidores de drogas nos Estados Unidos com mais de 50 anos passou de 3,6 milhões para 10,8 milhões

drogas

ONU detectou pela primeira vez um aumento do consumo de drogas entre pessoas maiores de 50 anos, uma tendência nova relacionada com o envelhecimento da população e que pode representar um desafio para os sistemas de saúde dos países ocidentais.

Essa tendência é apontada no Relatório Mundial sobre Drogas divulgado no mês de junho, em Viena, por conta do Dia Internacional da luta contra os entorpecentes.

“Há mais pessoas jovens usando drogas do que idosos, mas pela primeira vez desde que temos estatísticas, o consumo de drogas entre pessoas de mais idade está aumentando”, explicou em entrevista coletiva Angela Me, autora do relatório e diretora de estatísticas do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC).

Os dados dessa tendência, que ainda devem ser investigados mais a fundo, segundo a UNODC, são de países da América do Norte e da Europa, onde é registrado um envelhecimento geral da população.

Por exemplo, nos Estados Unidos, entre 2006 e 2016, o número de consumidores de drogas com mais de 50 anos passou de 3,6 milhões para 10,8 milhões.

Se compararmos com o número de pessoas desse grupo de idade que usaram alguma droga em 1996, cerca de 900 mil nos EUA, o número de consumidores mais velhos se multiplicou por 12 em duas décadas.

Na Europa, a tendência é similar, embora menos acentuada, com as taxas de consumo de cannabis entre as pessoas de 55 a 64 anos crescendo em um ritmo maior em relação a outros grupos de idade.

Entre os motivos desta tendência são apontados a menor percepção de risco, uma maior disponibilidade de entorpecentes, a automedicação para tratar dores e outros problemas de saúde e a continuação do consumo entre algumas pessoas à medida que envelhecem.

As substâncias mais consumidas entre maiores de 50 anos são opioides, analgésicos e cannabis.

O relatório destaca a tendência global – embora mais aguda no Ocidente – ao envelhecimento da população e aponta que em 2050 metade da população de todos os continentes – exceto a África – terá mais de 50 anos.

Entre os atuais consumidores de mais idade, Angela Me apontou “uma combinação de pessoas que começaram a utilizar drogas quando jovens e envelheceram e, por outro lado, pessoas que buscam paliativos à dor e a outros problemas”.

Entre os primeiros, Angela aponta a geração dos “baby boomers” – nascidos entre meados dos anos 40 e os 60 -, que “no Ocidente foram os que começaram a utilizar mais drogas do que a geração anterior”.

Segundo os dados disponíveis, o perfil do consumidor maior de 50 anos é homem, solteiro, com um nível inferior de estudos, e também consumidor de álcool e tabaco.

Este fenômeno pode acarretar também em problemas no tratamento, que podem representar um desafio para os sistemas de saúde ocidentais.

Segundo Angela, “o tratamento de drogas entre pessoas mais velhas é muito mais complicado” porque o consumo costuma vir acompanhado de um pior estado de saúde, tanto físico como mental.

O número de pessoas com mais de 50 anos que morrem devido ao consumo de drogas – a maioria por overdose de derivados do ópio e de opioides sintéticos – também aumentou de forma significativa.

Em 2015, 39% dos mortos por conta do consumo de drogas – cerca de 450 mil pessoas – eram maiores de 50 anos, enquanto no ano 2000 representavam 27% do total.

Fonte: Exame

O esporte é prioridade na vida do casal paulista Dona Inês e Seu Antônio Shimizu. Nada com obrigação. Para eles, esporte é sinal de saúde. “Mantendo o esporte, a gente mantém a saúde. Não sinto dor nenhuma”, afirmou Seu Antônio.

Seu Antônio sempre foi esportista. Mas Dona Inês começou aos 50, depois que os filhos tinham crescido. E as competições também começaram por acaso. Hoje, o casal soma mais de 700 medalhas. Dona Inês é campeã de corrida e Seu Antônio, de salto em altura.

É nessa sintonia esportiva que o casal celebra 60 anos de união. É o amor em boa forma. “Fazer ginástica é a coisa mais gostosa do mundo. Faz circular bem o sangue. Circulando bem o sangue, é a saúde”, diz.  Ah, Seu Antônio tem 90 anos e Dona Inês 86. As atividades físicas são diárias.

esporte

O início no Esporte

Seu Antônio sempre foi atleta. Dona Inês começou aos 50, depois que os filhos tinham crescido. Mas também, depois que começou, não entrou de brincadeira. Levou o esporte a sério.

O casal é aluno do curso comunitário de Educação Física para Idosos na Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) da USP há mais de 20 anos. A história dos dois com a Universidade começou no início dos anos 1990, quando começaram a praticar atletismo no Centro de Práticas Esportivas da USP (Cepeusp).

Competições

Apesar de sempre gostarem de esporte, o casal só decidiu competir depois dos 50 anos. E a carreira no esporte deslanchou. Eles somam centenas de medalhas. Eles gastam suas economias para ir a competições no Brasil e no exterior. Tantas que eles não sabem direito quantas, mas certamente mais de 700.

O maior orgulho do Seu Antônio foi em 1980, aos 53 anos. Ele saltou 1,47m. Foi o recorde do Japão, entre os japoneses. Os dois já estão de olho nas próximas medalhas. Em 2018, vão para Málaga, na Espanha. E querem voltar ao Japão em 2020. Ela, atualmente, disputa medalhas na corrida e ele no salto a distância e em altura.

A conquista mais recente foi no Americas Masters Games 2016. Realizado em Vancouver, Canadá, o campeonato rendeu a ela medalhas de ouro nos 100 m e 200 m rasos. O marido não ficou para trás e levou o ouro nos saltos em altura e em distância.

Treinamento diário

É um treinamento de profissional. Além do boxe, duas vezes por semana, do treino na praça aos sábados, tem ainda musculação segundas e quartas, e na faculdade de educação física da USP, terças e quintas, tem aula de ginástica para idosos.  Depois da aula, eles aproveitam para treinar um pouco de atletismo.

Dona Inês treina a especialidade dela, a corrida. Mas para manter a forma física completa, o casal considera importante variar as modalidades esportivas, então, também pratica tênis de campo, caminhada nórdica, musculação e mallet golf (uma espécie de minigolfe)

Tudo supervisionado pelo professor de educação física José Carlos Astrauskas, que acompanha o casal há décadas.  “Graças ao esporte nós mantemos a nossa saúde, né? Bom, também não é só o esporte, tem a parte que é da alimentação, que também tem que tomar cuidado”, diz Seu Antônio.

Horas vagas

Haja fôlego! Nas horas vagas, os dois também são incansáveis. Dançam, viajam e aproveitam os filhos, netos e bisnetos. Quando podem, participam como voluntários de pesquisas sobre exercícios físicos com idosos. Antônio também chegou a atuar como árbitro e na organização de eventos de atletismo veterano.

União de 60 anos

De naturalidade japonesa, o nome oficial de Inês é Mitsu H. Shimizu. Ela veio ao Brasil com três anos de idade e aqui se casou com Tomihiko Shimizu (mais conhecido como Antônio ou simplesmente Tomi).

Eles se viram pela primeira vez numa loja na Liberdade, bairro japonês de São Paulo, onde Dona Inês trabalhava e Seu Antônio foi comprar um bonequinho. E aí não se desgrudaram mais.

Ensinamento, legado 

Os dois procuram transmitir para as próximas gerações a paixão pelo esporte e pela atividade física. Sua neta Nathaly Junko Shimizu Kurata, por exemplo, é tenista profissional e a sétima no ranking nacional da Confederação Brasileira de Tênis.

Fonte: CENTRAPE