Unidade Vila Mariana (11) 2275-2516/2276-2835

Unidade Moema (11) 2738-1700/2738-1900

Blog

Foto: Portal do Animal

Para muitas pessoas, o cão se torna um membro da família em todos os aspectos. Como poderia não ser assim, já que os cães muitas vezes preenchem nossos corações e nossas casas com amor e felicidade, mostrando-nos gratidão pelo cuidado que lhes damos?

Até mesmo o pequeno Teddy era considerado um filho pelos cônjuges Szasz, mas nunca teriam imaginado que um dia ele salvaria a vida de seu dono.

Andy Szazs chegou ao hospital com pneumonia grave: o tratamento se mostrou imediatamente problemático, dada a interferência das drogas com a terapia que Andy estava tomando para o câncer de intestino.

As condições de saúde se deterioraram e ele acabou entrando em coma. Sua esposa estava ao seu lado tentando conversar com ele e entretê-lo, exatamente como os médicos haviam aconselhado. Mas a mulher pensou em fazer algo que Andy certamente teria gostado.

Ela pediu para levar seu cachorrinho para o hospital, Teddy; os médicos concordaram, dadas as condições em que o homem estava.

Foi quando Teddy viu Andy na cama do hospital que o inimaginável acontece: pela emoção de vê-lo novamente depois de tanto tempo, o cachorrinho começou a latir e fez com que Andy acordasse do estado de coma em que ele estava até alguns minutos antes.

Provavelmente, não havia nada que pudesse fazê-lo mais feliz do que uma visita de seu amigo peludo. Agora, Andy não faz nada além de dizer que salvou o pequeno Teddy, mas que no final também aconteceu o contrário: não podemos saber qual teria sido o fim da história se Teddy não tivesse cruzado o limiar do hospital, mas só podemos refletir sobre o efeito magnífico que teve sua presença.

Hoje, Teddy faz parte da equipe do hospital onde o homem foi internado: é na verdade um cão de terapia, que acompanha os pacientes em seu caminho de reabilitação física e psicológica, assim como fez com seu dono depois que acordou.

Cães não são apenas animais de estimação, eles podem fazer nossos corações vibrarem e nos lembrar de como a vida é linda!

Fonte: Portal do Animal

Foto: Thais Corrêa

O aplicativo Tinder, usado para promover encontros amorosos, é uma febre entre os mais jovens. No entanto, os idosos Vitório Wilian Bassani, de 77 anos, e Neusa Rodrigues Pereira, de 73 anos, mudaram esta lógica e se casaram em fevereiro deste ano, em Votorantim (SP) após se conhecerem no app. As informações são do G1.

Segundo o site, Neusa viu na tecnologia uma forma de driblar a solidão, encontrando um novo amor. Seis anos depois de ficar viúva, ela se sentiu mais sozinha após um dos filhos que morava com ela decidir se mudar. Ela achou que pelo celular fosse mais fácil encontrar um novo companheiro e pediu para que uma neta de 14 anos a ajudasse.

“No início, 42 homens curtiram minha foto, mas não me interessei por nenhum. Depois, conversei com um, e não deu certo. Aí vi a foto do Vitório e resolvi mandar um like. Ele curtiu, mandou mensagem e começamos a conversar.”, disse Neusa ao G1.

O primeiro encontro, no entanto, demorou oito meses para que acontecesse. Eles, porém, não deixaram de se falar durante este período. Em seguida, Vitório viajou mais de 200 quilômetros até o interior de São Paulo, para conhecer a futura esposa. Ao chegar, dois dos filhos de Neusa fizeram diversas perguntas ao futuro padrasto.

Após se conhecerem, ainda namoraram quase um ano até decidirem oficializar a união. Feliz com o par encontrado, Neusa dá um conselho para quem quer encontrar um novo amor. “Tem que ter prudência para encontrar uma pessoa. Vai com paciência que consegue, sim. Sempre com respeito, boa conversa e amizade”, orienta.

Fonte: Istoé

Vamos aos números da Global Coalition on Aging, entidade voltada para pensar e propor soluções para os desafios que vêm a reboque do envelhecimento da população mundial. Em 2050, haverá 2 bilhões de idosos no planeta, com um poder de compra de 15 trilhões de dólares, e somente 15% das empresas desenvolveram planos que atendam a esse contingente populacional. O mundo parece querer ignorar que a faixa etária acima de 80 é a que mais crescerá nas próximas décadas e que chegar aos 100 anos se tornará rotineiro. O que vemos é um muro de lamentações sobre como lidar com o “problema”, quando, na verdade, o que temos é que nos adaptar e criar condições para atender a esse novo perfil planetário.

Um exemplo sobre a miopia do mercado, e essa sem relação com a longevidade: segundo a revista “Fast Company”, 68% das mulheres usam manequim 44 ou acima dessa numeração. Então por que as marcas ainda insistem em não fabricar roupas para a maioria, que fica restrita a um número restrito de lojas e modelos? Quem se aventurou nesse segmento entendeu que a ditadura da moda não é inclusiva, nem democrática. O Japão, cuja população envelhece num ritmo superior ao de outros países – em 2065, os idosos representarão 40% do total – já mudou as lentes para enxergar a questão. A revista “The Economist” recentemente registrou algumas iniciativas, como a de uma cadeia de academias de ginástica e musculação que fidelizou a clientela mais velha com descontos: hoje, 30% dos frequentadores passaram dos 60.

A gigante de cosméticos Shisheido abraçou a causa por razões bem práticas: esses clientes vivem mais, se mantêm ativos e têm recursos. Tem inclusive uma equipe de maquiadoras/esteticistas que ensina os truques de beleza para essa faixa etária. O ramo das creches para os pequenos está se adaptando para construir centros de convivência e as empresas de robótica desenvolvem soluções para garantir a independência dos idosos dentro e fora de casa. Uma outra lição que os japoneses aprenderam e que deveria ser seguida à risca: para fisgar esses consumidores, não se deve tratá-los como velhinhos. A maioria mantém hábitos que tinha décadas antes, com variações e adaptações de acordo com as limitações impostas pela idade.

Esse blog tratou do tema ao mostrar o trabalho do AgeLab, ligado ao MIT (Massachusetts Institute of Technology). Seu fundador e diretor, Joseph Coughlin, é um ativista da longevidade e prega uma cartilha com cinco pontos básicos. O primeiro: o envelhecimento não é um problema médico a ser solucionado, e sim um estágio da vida a ser reinventado. O segundo: o mercado ainda oferece produtos pasteurizados e esteticamente inaceitáveis, quando os designers deveriam procurar encantar o consumidor. Terceiro: o “carimbo” de velho afasta o público, porque está associado a fragilidade e decadência, por isso os produtos devem ser simples, convenientes e charmosos, características que não têm idade. Quarto: nem sempre é o idoso que faz a compra, portanto os sites e pontos de venda deveriam focar também na faixa etária entre 40 e 50 anos, ampliando a informação disponível. Para fechar: a tecnologia tem que entender e respeitar o consumidor. De nada adianta um lançamento inovador cujo manejo e manutenção sejam complicados.

Fonte: G1

Quando temos amigos, sabemos que não estamos sozinhos e que, não importa o que for colocado em nossos caminhos, sempre teremos alguém com quem contar.

Entre as muitas pessoas que conhecemos em nossas vidas, poucas são as que podemos chamar de amigas. Muitos passam por nós, permanecem por um tempo até cumprir sua missão e depois vão embora. Mas outras pessoas nunca se vão. Ainda que a vida nos guie para caminhos diferentes, a conexão de alma que possuímos com elas é tão forte e verdadeira que nunca estaremos totalmente separados.

Nossos amigos são pessoas insubstituíveis. Eles nos conhecem como ninguém e nos amam verdadeiramente, orgulham-se de nossas conquistas e fazem questão de que saibamos que somos únicos e dignos das melhores coisas da vida.

Em uma amizade verdadeira, não existe inveja, mentiras e maldade. Apenas há espaço para amor, companheirismo e crescimento mútuo.

São relacionamentos puros e sinceros, que nos ajudam a viver com mais alegria, perspectiva e felicidade.

Se você tem um amigo de verdade, provavelmente deseja estar ao seu lado sempre que possível e planeja aventuras e momentos especiais para todas as fases da vida. Desde as maluquices na juventude até os momentos de mais tranquilidade na velhice.

Entretanto, entre as coisas mais especiais que podemos fazer ao lado de nossos amigos é sorrir. Parece que, quando estamos com eles, tudo vira motivo para darmos gargalhadas infinitas que nos tiram o ar e fazem a barriga doer. Mesmo que o momento nem seja tão engraçado assim, vivê-lo ao lado dessa pessoa tão especial torna tudo mais intenso, mais divertido.

As risadas com nossos amigos são sinceras e nos despertam uma sensação única de alegria. Estar ao lado dessas pessoas tira das nossas mentes todos os problemas da vida e nos ajuda a vivermos no agora, com mais positividade e esperança para o que está por vir.

Quando temos amigos, sabemos que não estamos sozinhos e que, não importa o que for colocado em nossos caminhos, sempre teremos alguém com quem contar.

Todos os momentos que compartilhamos com essas pessoas são sagrados e ficam guardados em um lugar muito especial em nossas mentes e corações.

Se você tem um amigo com quem pode contar, esteja perto ou longe, alguém para dividir preocupações, alegrias e boas risadas, você é uma pessoa de muita sorte!

Reserve um tempo, sempre que possível, para estar perto dessa pessoa. Seu espírito se renovará e você perceberá que a vida é muito melhor quando compartilhada com as pessoas que amamos.

Fonte: O segredo

01 abr

A Nossa Casa. . .

por nossacasa

O bem-estar das nossas hóspedes é regra número um para a Nossa Casa. Temos diversas atividades como música terapia, tarde de piano, fisioterapia em grupo, jogos divertidos, aulas de idiomas, aula de artes etc. Além de tudo isso, as nossas tardes também contam com uma contadora de histórias! 

Quem aqui não lembra das histórias que nossos pais contavam para nós na hora de dormir? Era incrível como entrávamos no enredo e fazíamos parte daquela fantasia…

É essa a proposta, brincar com a imaginação, permitir essa incrível viagem sem sair do lugar.

Nossas meninas adoram e nós também! 

Era uma vez… um centro de longa permanência delicioso de morar!  

A idade está na cabeça das pessoas. Foi com essa frase que um dos entrevistados tocou o coração de todos aqueles que o assistiam. Após os 60 anos, muitos acabam por se entregar ao sedentarismo e ao pensamento de que não são mais capazes de realizar muitas coisas. Engana-se quem pensa assim.

Foi com o intuito de provar o porquê da nomenclatura “a melhor idade”, que o OCP trouxe a série “Idosos Ativos” para seus leitores, pois assim como eles, somos os idosos modernos do mundo digital. O veículo de comunicação mais antigo em circulação de Santa Catarina está prestes a completar 100 anos de história.

Apesar do tempo, a cada dia o OCP busca se modernizar e se atualizar para estar sempre em conformidade com as evoluções tecnológicas, sem deixar de lado a sua essência, que é o compromisso intransigente com a verdade, imparcialidade e defesa dos interesses da comunidade.

É com esse objetivo que disponibilizamos para vocês uma série de almas jovens com a sabedoria da idade!

Confira todos os vídeos na íntegra:

Fonte: OCP News

 

A Câmara Municipal de Araçatuba iniciou em fevereiro uma campanha de arrecadação de embalagens vazias de comprimidos para adquirir cadeiras de rodas. A ação faz parte do projeto Câmara Solidária, de inciativa da Mesa Diretora da Casa.

Os principais beneficiários dessa ação voluntária são pessoas em vulnerabilidade financeira atendidas pela Santa Casa de Misericórdia, por meio de um trabalho coordenado pela Pastoral da Saúde.

De acordo com a presidente da Câmara, vereadora Tieza (PSDB), a mobilização começou com os servidores que já nos primeiros dias depositaram centenas de embalagens numa urna transparente colocada na recepção da sede do Legislativo. Contudo, o público externo também pode fazer doações no posto de coleta permanente. As embalagens arrecadadas são doadas à Pastoral da Saúde, em contrapartida, uma empresa de reciclagem recebe e entrega os equipamentos de locomoção para os pacientes.

“Não podemos simplesmente descartar essas embalagens, uma vez que elas viabilizam a aquisição de cadeiras de rodas para as pessoas que tanto necessitam. Por meio dessa campanha, o Legislativo araçatubense reafirma o compromisso de aproximar a sociedade da tomada de decisões do Poder Público que visam ao bem-estar das pessoas e a sustentabilidade do meio ambiente”, afirmou a vereadora Tieza.

Assista ao vídeo:


 

Fonte: Câmara Municipal de Araçatuba

Michael Joyce 68 anos, passou os últimos oito anos lutando contra a doença de Alzheimer, mas há uma coisa que ele nunca vai esquecer com certeza: ele ama sua esposa.

A história parece um lindo romance, Michael esqueceu que era casado com Linda há 34 anos, e a pediu em casamento.

Linda disse que ela percebeu que ele estava tentando lhe dizer uma coisa importante, mas ela não estava conseguindo compreender direito as palavras, então calmamente perguntou: “Eu segurei a mão dele e perguntei ‘o que é, meu querido? O que você está tentando me dizer?’ Ele olhou para mim com lágrimas nos olhos e com uma gagueira ele disse: ‘você quer se casar comigo?’”

“Eu pensei que era apenas uma manifestação do mal de Alzheimer. Mas então na manhã seguinte, ele acordou e lembrou de tudo e ficou tão animado para o nosso dia do casamento”.

De acordo com sua esposa, Michael tem lutado “uma batalha difícil” com a doença de Alzheimer desde que ele foi diagnosticado em 2010. Embora ele se esforce para lembrar eventos do dia-a-dia, geralmente não lembra quem são as pessoas a sua volta e até mesmo chega a esquecer quem é Linda.

Já que é assim, nada mais justo do que casar duas vezes, não é mesmo? E foi justamente o que aconteceu, no começo de 2018, na Nova Zelândia, onde o casal vive.

“E no dia de nossa cerimônia, ele acordou e disse para mim ‘hoje é o dia’ e ele estava tão feliz. Na cabeça e no coração, era o que ele queria fazer. Ele queria se casar.”

“Nós estamos destinados a ficar juntos. Nós somos devotos um ao outro e eu vou amá-lo até o fim. O amor verdadeiro conquista tudo”.

Depois desta história, alguém ainda não acredita em amor eterno?

Fonte: Saber Viver Mais

Você já sabe que praticar atividades físicas é importante para manter uma boa saúde, mas e o cérebro? Este órgão também pode ser exercitado para melhorar seu desempenho e o melhor: você pode fazer isso em casa, no seu dia-a-dia com atividades chamadas de neuróbicas.

Quando acostumamos a fazer as mesmas atividades com frequência, é comum ligarmos o modo piloto automático, pois já temos domínio sobre as nossas ações. Assim, o nosso cérebro entra na zona de conforto e pode dar margem para algumas reações, como falhas de memória, raciocínio lento, problemas de concentração…

A proposta das neuróbicas – que funcionam como a aeróbica dos neurônios – é justamente tirar o cérebro da sua zona de conforto e potencializar as suas habilidades cognitivas.

A prática da neuróbica envolve desde exercícios simples – que podem ser feitos no dia a dia – até desafios mais complexos, que proporcionam situações improváveis e podem ser feitos por pessoas de todas as idades.
“As neuróbicas estimulam padrões de atividade neurais que criam conexões entre as diferentes áreas do cérebro e fazem com que as células nervosas produzam nutrientes naturais do cérebro”, explica Solange Jacob, diretora pedagógica nacional do Método SUPERA, rede de escolas dedicadas ao desenvolvimento do cérebro no Brasil.

Segundo ela, para que uma atividade seja considerada “neuróbica”, é preciso desenvolver um ou mais dos nossos cinco sentidos em um novo contexto e/ou transformar uma atividade rotineira em algo inesperado e não-usual.

Como incorporar a neuróbica na rotina diária

Nós podemos praticar exercícios para o cérebro em qualquer lugar: seja em casa, no trabalho, na escola ou nos momentos de lazer.  Fazer atividades de maneira inusitada é uma nova técnica para melhorar a concentração, treinar a criatividade e inteligência.

“Porém, para exercitar o cérebro em sua totalidade, é preciso mais que neuróbicas!”, alerta Solange. “Apesar dessas atividades ajudarem a estimular a mente, a metodologia completa de ginástica para o cérebro do SUPERA  proporciona resultados efetivos no desenvolvimento das habilidades cognitivas, socioemocionais e éticas, garantindo melhor qualidade de vida e real melhora da memória, concentração, raciocínio…”

Tente fazer um teste fazendo alguns exercícios no seu dia-a-dia. Sugerimos aqui 20 ações diferentes que podem ser feitas em casa e podem proporcionar momentos descontraídos com a família e amigos:

01 – Use o relógio de pulso no braço direito (ou no braço esquerdo, se for canhoto);

02 – Escove os dentes ou escreva em uma folha de papel com a mão contrária da de costume

03 – Ande pela casa de trás para frente;

04 – Vista-se de olhos fechados;

05 – Estimule o paladar, coma coisas diferentes;

06 – Veja fotos de cabeça para baixo e tente observar cada detalhes que antes lhe passara despercebido;

07 – Veja as horas num espelho ou troque o relógio do pulso que costuma usar;

08 – Faça um novo caminho para ir ao trabalho ou introduza pequenas mudanças nos seus hábitos cotidianos

09 – Converse com o vizinho que nunca dá bom dia.

10 – Comece a trocar o mouse de lado.

11 – Decore uma palavra nova por dia, de seu idioma ou de outro e tente aos poucos introduzi-la em suas conversas de forma adequada.

12 – Folheie uma revista e procure uma fotografia que lhe chame a atenção. Agora escreva 25 adjetivos que ache que a descrevem e/ou ao tema fotografado.

13 – Ao entrar numa sala onde esteja muita gente, tente determinar quantas pessoas estão do lado esquerdo e do lado direito. Identifique os objetos que decoram a sala, feche os olhos e enumere-os.

14 – Quando for a um restaurante, tente identificar os ingredientes que compõem o prato que escolheu e concentre-se nos sabores mais subtis.

15 – Selecione uma frase de um livro e tente formar uma frase diferente utilizando as mesmas palavras.

16 – Monte um quebra-cabeça e tente encaixar as peças corretas o mais rapidamente que conseguir, cronometrando o tempo. Repita a operação e veja se progrediu.

17 – Experimente memorizar aquilo que precisa comprar no supermercado, em vez de elaborar uma lista.

18 – Ouça as notícias na rádio ou na televisão quando acordar. Durante o dia escreva os pontos principais de que se lembrar.

19 – Ao ler uma palavra, pense em outras cinco que comecem com a mesma letra.

20 – Leia atentamente e reflita sobre o texto.

Fonte: Supera

Não importa a idade, sofrer com dores nos ossos e articulações é sempre um problema insuportável.

Quem se movimenta muito durante o dia acaba sofrendo mais, é o caso de atletas e profissionais que trabalham em pé ou carregando peso. Uma das melhores formas encontradas de recuperar a cartilagem do joelho e quadril é consumir hortelã.

A hortelã é uma erva aromática que pode ser usada na culinária e para fins medicinais porque possui ação antiespasmódica e analgésica.

Trouxemos para você uma receita de chá de hortelã, que vai ajudar a aliviar as dores na região do joelho e quadril. Lembramos que esse tratamento é caseiro e natural, o ideal também é procurar uma orientação médica.

Veja a receita:

Ingredientes:

-1 colher (sopa) de hortelã seca;
-1 colher (sopa) de tomilho seco;
-1 colher (sopa) de sálvia seca;
-1 colher (sopa) de alecrim seco;
-1 litro de água.

Preparo

Ferva a água em uma panela e depois adicione as ervas. Após colocar as ervas deixe ferver por mais cinco minutos.

Desligue o fogo e deixe em descanso por 15 minutos. Você pode adicionar mel se desejar, para deixar a bebida com mais sabor. Armazenar a bebida na geladeira.

Beba duas xícaras por dia, sendo que a primeira tem que ser consumida ainda pela manhã em jejum e a segunda antes de dormir. Siga essa rotina por três semanas.

Você vai notar que os joelhos se fortalecerão e deixarão de doer. Também vai sentir uma melhora sensível no quadril.

* Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Fonte: Pensador Anônimo 

Página 3 de 2212345...1020...Última »