Unidade Vila Mariana (11) 2275-2516/2276-2835

Unidade Moema (11) 2738-1700/2738-1900

Blog

Momentos de estresse intensos não são inofensivos, pelo contrário, vários quadros depressivos, síndrome do pânico e ansiedade têm como ingrediente comum o estresse. Além de afetar a saúde mental, o estresse também pode causar problemas físicos; e o coração pode ser um dos afetados.

Estresse e doenças do coração

Uma pesquisa publicada no Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism mediu os níveis de cortisol, chamado de hormônio do estresse, ao longo de um período de 24 horas em amostras de urina de 861 pessoas acima de 65 anos de idade. A avaliação foi feita durante seis anos de estudo.

No período, 183 participantes do estudo morreram. Os altos níveis de cortisol foram observados nos óbitos decorrentes de ataque cardíaco e acidente vascular cerebral (AVC).

Perturbando o organismo

Quando divididos em três grupos com base nos níveis do hormônio do estresse, o grupo dos participantes com os maiores níveis de cortisol apresentou um risco cinco vezes maior de morrer por doenças cardiovasculares, concluiu a pesquisa.

A alta liberação de hormônios em situações estressantes perturba o organismo, provocando reações que englobam desde o aumento da pressão arterial a um fulminante ataque cardíaco.

Fonte: Vix

14 jan

Artesanato Nossa Casa

por nossacasa

Muito bem! 

2.019 já chegou chegando, esse ano promete.

Na aula de artesanato, nossas meninas começaram com tudo e arrasaram na pintura.

O mais interessante é que esse método de pintura com papel e lápis de cor, depois será aplicado em caixas de madeira, como se fosse uma decoupage.

O resultado fica incrível.

Isso é só o começo, gente!

Acompanhe nosso blog, nossas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades da Nossa Casa.

No facebook: @nossacasaresidencial

No instagram: @nossacasaresidencial

Feliz 2.019!

Artesanato Nossa Casa

Prática cada vez mais comum entre jovens e até mesmo adolescentes menores de idade, fumar narguilé, ao contrário do que muita gente acredita, não é uma atividade menos prejudicial que fumar cigarro ou mesmo livre de malefícios à saúde.

Estudos já comprovaram que fumar narguilé pode aumentar riscos de câncer, além de ter impacto negativo na frequência cardíaca, pressão arterial e rigidez arterial. O hábito pode, inclusive, elevar chances de uma pessoa sofrer um AVC (acidente vascular cerebral).

Fumar narguilé pode transmitir hepatite C e tuberculose.

Como se não bastasse, a prática, de acordo com informações do Ministério da Saúde, também representa um risco de infecções como herpes, hepatite C e tuberculose, já que todos os usuários usam o mesmo bocal.

A hepatite C é uma doença silenciosa e perigosa, transmitida por um vírus que causa infecção no fígado e, a longo prazo, pode levar à cirrose, câncer e doença hepática crônica.

A doença pode ser contraída se uma pessoa entra em contato com o sangue ou fluídos corporais de alguém infectado com o vírus em atividades até mesmo banais, como compartilhamento de itens de higiene pessoal contaminados (lâminas de barbear, escovas de dentes e alicates de unha) e, claro, o bocal do narguilé.

A possibilidade de cura de hepatite C acontece em aproximadamente 60% dos casos e irá depender do tipo de vírus e da velocidade do diagnóstico. Com tratamento adequado, a doença pode ser extinta do sangue do paciente.

No caso da tuberculose, a doença é causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis, transmitida por via aérea. O paciente com tuberculose nos pulmões pode transmitir a doença ao tossir, falar ou espirrar, espalhando a bactéria pelo ar pelas gotículas de saliva. Ou seja, o compartilhamento do bocal do narguilé também oferece riscos de transmissão.

Fonte: FatimaNews

“Quem disse que uma andorinha só não faz verão?” O comentário de um popular na internet sobre o Parque Linear Tiquatira resume bem a história por trás do verde de uma das principais áreas de lazer e recreação da Zona Leste de São Paulo. Às margens do córrego que dá nome ao bosque, as mais de 25 mil árvores presentes surgiram, em sua maior parte, da perseverança de um único cidadão.

Hélio da Silva, 67 anos, administrador de empresas aposentado, mais conhecido pela merecida alcunha de “Plantador de Árvores”, plantou a primeira muda no local em 23 de novembro de 2013. Quatro anos e 5 mil árvores depois, a recuperação de uma área antes degradada motivou a Prefeitura de São Paulo a transformar o bosque no primeiro parque linear (no decurso de um rio) da capital paulista. 

“Antes, havia lá umas 15 árvores de replantio apenas”, recorda Silva. “Era uma área degradada, suja, cheia de entulhos, altamente frequentada por traficantes e usuários de drogas”, diz o empresário, natural de Promissão (SP) e desde os 8 anos morador de São Paulo. 

A instituição do parque levou Silva a acelerar ainda mais o ritmo. Quanto mais gente e pássaros eram atraídos para a ilha verde em meio ao concreto, mais buracos Silva cavava para novas mudas. “As árvores são generosas, oferecem ar puro, ajudam a preservar as nascentes, dão frutos, atraem pássaros, embelezam com flores e contribuem para reduzir a temperatura em seu entorno e retêm 40% das chuvas torrenciais, evitando erosões”, diz, justificando seu fascínio pelas plantas. 

Hoje, o parque de 320 mil metros quadrados está densamente arborizado. Somente Silva plantou 25.047 árvores no local, com sobrevida de 88% (nos cálculos dele). São mais de 150 espécies da Mata Atlântica, o que inclui o ameaçado pau-brasil e também a araucária, símbolo do Paraná. Entre as árvores mais recorrentes estão jequitibás, aroeiras, ipês e embaúbas. 

Frutas e pássaros

Quem aproveita a pista de caminhada para se exercitar não tarda a ouvir o cantar dos pássaros, que só deram as caras após o surgimento dos primeiros frutos. De acordo com Silva, a cada 12 árvores plantadas por ele, uma é frutífera. Araçás, amoras, frutas do conde, pêssegos do mato, jabuticabas, figueiras oferecem um verdadeiro banquete para sabiás, sanhaços, periquitos, maracanãs, maritacas, tico-ticos, saíras, entre outras 20 espécies de pássaros avistados, segundo a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente. 

“Estava mostrando para minha mãe o quanto o Tiquatira melhorou com as árvores”, comentou Robson Xavier de Carvalho, vizinho do bosque, em postagem na página “Plantador de Árvores” numa rede social. “O senhor é gente que faz a diferença. Somos gratos ao senhor por ter deixado nossa região tão arborizada assim”, escreveu Laelson Sousa na mesma página, utilizada por Silva para divulgar o “balancete” das árvores plantadas no Tiquatira e em outros cantos da capital. 

Pouca ajuda e vandalismo

São incontáveis as mensagens de parabéns pela boa ação, porém, são poucas as pessoas que se dispõem a ir além, pondo a mão na massa. Mensagens como “se precisar de ajuda, me avise”, Silva sabe bem, não ajudam a transformar o cinza em verde. “Atualmente, conto com duas pessoas, o Carlos e o Waldemar, que me ajudam há dois anos. Nesses quase 15 anos, algumas pessoas me apoiaram, mas foram ficando pelo caminho. Em São Paulo, o vizinho é um anônimo, e a maioria das pessoas quer saber apenas de seus problemas particulares”, lamenta Silva. 

Apesar da falta de apoio, Silva se diz feliz pelas conquistas — cada novo pássaro avistado, por exemplo, é uma conquista —, especialmente quando relembra os árduos primeiros passos de sua jornada. Por muitos anos, Silva via o dinheiro tirado do próprio bolso para a aquisição de adubo e mudas ir para o ralo com a devastação das árvores pelos vândalos. Segundo ele, todas as suas primeiras 200 árvores foram totalmente destruídas. 

O vandalismo se repetia, mais árvores eram destruídas e o poder público — de quem Silva diz nunca ter esperado muito — poucas providências tomava. “Além de não poder estar em todos os lugares ao mesmo tempo, o poder público é lerdo, moroso, burocrático e, muitas vezes, sem vontade nenhuma de ser fraterno, cidadão, generoso”, diz. 

Meta: 50 mil árvores

Graças à perseverança do plantador de árvores, a sensação quando se está no Parque Linear Tiquatira é de que os males da poluição de uma cidade com frota de quase 8,7 milhões de veículos (levantamento do Detran/SP) dão uma trégua. “Um parque é a maior unidade básica de saúde, é o melhor hospital. Aqui está a cura para uma doença que afeta mais da metade de humanidade, a depressão”, comenta o Plantador de Árvores. 

A boa notícia para a saúde do paulistano é que a jornada de Hélio da Silva parece estar longe do fim. “Vou dedicar todo o tempo restante da minha vida a isso. Quero chegar, no mínimo, a 50 mil árvores como legado para as futuras gerações”, diz o empresário, pai de três filhos e avô de três netos. Todos os sábados e domingos de manhã, Silva é visto contemplando o Tiquatira, normalmente acompanhado de suas ferramentas e de mais algumas mudas em mãos. Os pulmões da vizinhança agradecem. 

O senhor já se dá por satisfeito ou pretende prosseguir plantando árvores? 

Hélio da Silva – Meu propósito é plantar 50 mil árvores na zona leste de São Paulo, cuja população ultrapassa 6,2 milhões de habitantes. Só no parque linear cabem, seguramente, mais 8 mil. Por isso, quero fazer um grande maciço de árvores com grande densidade. Isso para evitar ocupação irregular. 

Como o senhor ganhou o apelido de “Plantador de Árvores”? 

Um dia me perguntaram: Quem é o senhor? Respondi que era um plantador de árvores, e isso pegou. Planto árvores onde eu estiver, no Parque Tiquatira [capital paulista], no Sul de Minas Gerais, em espaços que necessitem de áreas verdes.  

Sua história de vida como plantador de árvores já frutificou? Mais gente seguiu seu exemplo? 

Várias pessoas têm essa iniciativa [de plantar árvores em áreas públicas], e talvez tenham se inspirado na minha história; mas isso é presunção, deixa pra lá. Farei a minha parte muito bem feita. Gosto de dividir “minhas” árvores com todos. Tenho mais de 25 mil filhos ecológicos e três biológicos e mais três netos, que lá na frente vão cuidar disso.

Fonte: São Paulo São

 

‘Ele fez a primeira aula de balé da vida aos 75 anos. E tem gente que não começa porque se acha velho’, disse a professora em publicação que viralizou’

Seu Hélio mora no Rio de Janeiro e tem 80 anos. Há cinco, ele decidiu ter aulas de balé pela primeira vez e tomou gosto pela dança – tanto que, agora, faz horas e horas de aulas por dia.

Sua professora de dança é Camile Salles, que dá aula no Centro de Movimento Deborah Collker, localizado na zona sul da capital fluminense e, há alguns dias, ela fez uma publicação no Facebook exaltando a dedicação de Hélio, que chega a participar de cinco aulas por dia.

“Hoje ele fez todas as cinco aulas que eu dei. Não, você não entendeu errado. Ele fez cinco aulas. Hoje. Duas de balé de uma hora de duração. Uma de alongamento com pilates de uma hora de duração. E outras duas de balé de uma hora e meia de duração. Foram seis horas de exercícios no total”, disse Camile.

Ela ainda usou o exemplo de Helio para explicar que a ideia de “ser velho demais” para praticar o balé está equivocada. “Ele fez a primeira aula de balé da vida aos 75 anos. E tem gente que não começa o balé porque se acha velho… Seu Helio com certeza é muito mais jovem”, concluiu.

A publicação fez mais sucesso do que a professora imaginava, e ultrapassou os 10 mil compartilhamentos. Nos comentários, internautas disseram que o idoso é um “grande exemplo” e “inspiração”, mostrando que nunca é tarde demais para fazer qualquer coisa. 

Fonte: emais.estadao.com.br

07 jan

E o tradicional almoço de Natal da Nossa Casa foi um sucesso. 

Este é o espírito do Natal, a união de pessoas que se gostam de verdade! 

Algumas hóspedes saíram com seus familiares e alguns familiares vieram para o almoço com as nossas hóspedes. 

Dentre as delícias de Natal, os ingredientes de sucesso do menu foram amor, alegria e união! 

Fechamos 2.018 com chave de ouro.

Em 2.019 tem mais, o ano está só começando.

Vem muita coisa boa por aí. 

Aguarde. 

Natal Nossa Casa

Pense…

Você tem o hábito de guardar objetos inúteis, pensando que um dia, quem sabe quando, possa precisar?

Você tem o hábito de acumular dinheiro e não gastar, porque acha que no futuro poderá precisar?

Você tem o hábito de guardar roupas, sapatos, mobília, utensílios e outros objetos domésticos que não usa por muito tempo?

E dentro de você? tem hábito de guardar mágoas, ressentimentos, tristezas, temores etc?

Não faça isso, está trabalhando contra sua prosperidade!

É necessário criar espaço, deixar um vácuo para permitir que as coisas novas entrem, que cheguem à sua vida.

É necessário se livrar de todas as coisas inúteis que estão em você e em sua vida, para que possa receber a prosperidade.

A força desse vazio é que vai absorver e atrair tudo aquilo de deseja…

Enquanto você estiver, material, emocionalmente segurando sentimentos antigos e inúteis, não terá espaço para as novas oportunidades

Os bens precisam circular…limpe suas gavetas, guarda roupas, escritório, sua mesa, garagem, carro…

Doe o que não usa mais…

A atitude de manter pilhas de coisas inúteis, “amarra” sua vida.

Não são os objetos que mantêm sua vida estagnada…

E sim a atitude de guardar…

Quando estocamos, estamos considerando a possibilidade de falta, penúria…

Acreditamos que o amanhã pode trazer a falta, e que não seremos capazes de preencher nossas necessidades…

Com essa ideia, você está emitindo duas mensagens para seu cérebro e para sua vida:
Que você não confia no amanhã e
Que pensa que o novo e o melhor não são para você.

Se livre do que perdeu a cor e o brilho…
Deixe o novo entrar na sua vida, na sua casa, em você!

Permita-se!
Organização de Guarda Roupa por Ana Anaya

Fonte: www.facebook.com/Wardrobeathand

Sair de férias é um acontecimento no ano de qualquer família. São dias de pura felicidade e diversão, nos quais todos aproveitam o dia com muito entusiasmo. Por isso, a fase de planejamento pode ser tão gostosa quanto. É o momento que imaginamos todos os passeios e locais legais que podemos conhecer e apresentar para as pessoas que mais amamos no mundo.

Pensando nisso, preparamos um guia com dicas e cidades brasileiras para você planejar férias inesquecíveis. Leia até o final e escolha o seu destino.

1. Comandatuba, o paraíso baiano

Para quem sonha com as férias no nordeste brasileiro, a ilha de Comandatuba é o destino perfeito. É lá que fica o resort all inclusive com mais de 80 atividades para a sua família. Desde campo de golfe de categoria internacional, até um complexo aquático com piscinas para todos os gostos. Também existem opções de recreação infantil, que conta com atividades para crianças a partir de 4 anos de idade. Além disso, dependendo da programação, aulas de zumba, hidroginástica e outras atividades divertem adultos e crianças.

Para quem gosta de relaxar com uma bela massagem, que tal conhecer o SPA, completo e assinado pela conceituada marca L’Occitane? Se você prefere espantar o stress relaxando na praia e tomando sol, dá para fazer também. Com praias cercadas de coqueiros e toda a estrutura para manter o seu conforto e da sua família, esses definitivamente serão momentos inesquecíveis.  

2. Recife, para quem quer planejar férias com praias e agito

Recife é uma cidade que traz a combinação perfeita entre as mordomias da praia, o agito de uma metrópole e a carga histórica de uma cidade colonial. Lá é possível se hospedar em um luxuoso hotel na orla da praia de Boa Viagem, uma das mais importantes da capital do Pernambuco. Além disso, são diversas as programações culturais da cidade, com destaque para o museu Cais do Sertão, dedicado inteiramente a mostrar um pouco da cultura local.

3. Cuiabá, no coração do centro-oeste

Cuiabá é a capital do Mato Grosso e definitivamente um lugar que merece a sua visita. Além da natureza exuberante do local, existem diversas opções de museus, praças, parques e igrejas coloniais para serem visitadas. Além disso, essa é a porta de entrada para o Pantanal e a Chapada dos Guimarães. Portanto, se você gosta de aventuras e de ficar perto da natureza, comece agora mesmo a planejar férias em Cuiabá.

4. Curitiba, para começar a conhecer o sul do Brasil

Curitiba é a capital da região sul que está mais próxima do restante do país. E, por isso, é uma excelente cidade para começar a conhecer essa parte do Brasil. Entre as atrações mais legais, ganham destaque o Jardim Botânico de Curitiba, o Museu Oscar Niemeyer e a Ópera de Arame. E não se engane pelo conhecimento popular do sul do Brasil, Curitiba não é uma cidade predominantemente fria, apenas no inverno. Durante o verão a temperatura pode subir bastante.

5. Rio de Janeiro, a cidade mais que maravilhosa

Rio de Janeiro atrai turistas o ano todo. E não é sem motivo, essa é uma cidade cheia dos seus encantos. Em um único dia é possível fazer uma trilha guiada na floresta da Tijuca, curtir o pôr do sol no Arpoador e ainda aproveitar uma bela roda de samba. As atrações turísticas não faltam. Na realidade, seriam necessárias semanas para conhecer todas elas. Por isso, planejar férias no Rio de Janeiro, mesmo que você já conheça a cidade, nunca é demais.

Planejar férias é uma das coisas mais gostosas que existem. E não faltam destinos no Brasil para fazer os seus dias de descanso ainda mais divertidos. Por isso, reúna todas as informações deste post e veja qual cidade parece mais atrativa para você e a sua família.

Que tal passar alguns dias em uma delas? Conte nos comentários qual é a sua preferida.

Fonte: Transamerica

Várias investigações mostraram os benefícios da atividade física para combater a deterioração cognitiva associada à idade, mas agora aprendeu-se que é preferível dançar.

Várias investigações mostraram os benefícios da atividade física para combater a deterioração cognitiva associada à idade, mas agora aprendeu-se que é preferível dançar.

Como se mover ao ritmo da música luta contra a doença de Alzheimer.

A passagem do tempo é inevitável. Quase como as consequências físicas e mentais que isso traz às pessoas. O que é possível é evitar uma deterioração maior que o esperado das habilidades cognitivas.

Com esse objetivo em mente, cientistas do Centro Alemão de Doenças Neurodegenerativas e outras instituições alemãs empreenderam um trabalho que os levou a mostrar que os idosos que se exercitam regularmente podem reverter os sinais de envelhecimento no cérebro. E concluíram que entre todos os tipos de exercício, a dança é a que tem o mais profundo efeito benéfico.

O exercício tem o efeito de abrandar ou mesmo contrariar a deterioração relacionada com a idade na capacidade mental e física.

“O exercício tem o efeito de desacelerar ou mesmo contrabalançar a deterioração relacionada à idade nas habilidades físicas e mentais. Neste estudo, é mostrado que dois tipos diferentes de exercícios físicos (dança e treinamento de resistência) aumentam a área de cérebro que diminui com a idade e melhora o equilíbrio”, explicou Kathrin Rehfeld, chefe do trabalho.

Os pesquisadores contaram para sua pesquisa com dois grupos de idosos. Foram separados em dois grupos: em um deles, o grupo de dança, composto por 14 pessoas entre 67 e 71 anos e, em outro, 12 pessoas, entre 68 e 71 anos, que praticavam exercícios físicos. Os mais velhos começaram um curso semanal que durou 18 meses aprendendo rotinas de dança ou treinamento de resistência e flexibilidade.

Embora pesquisas anteriores tenham mostrado que o exercício físico em geral pode combater a deterioração cognitiva associada à idade, não se sabia se um tipo de exercício em particular poderia ser melhor que outro a esse respeito.

Não se sabia que tipo de exercício físico poderia combater melhor o declínio cognitivo.

Durante o trabalho, ambos os grupos mostraram um aumento no volume na região hipocampal do cérebro. Isto é importante, uma vez que esta área é propensa à deterioração do cérebro relacionada à idade (e desempenha um papel fundamental na memória e na aprendizagem, bem como na manutenção do equilíbrio) e é afetada por doenças como a doença de Alzheimer.

A fim de aprofundar este aspecto, os pesquisadores distribuíram diferentes rotinas de exercícios para os voluntários de acordo com o grupo: o treinamento físico tradicional era composto de exercícios repetitivos (como o ciclismo), e o grupo de dança, ao contrário, enfrentava para um novo desafio de dança toda semana.

“Tratamos de proporcionar às pessoas mais velhas do grupo de dança, rotinas que estavam constantemente mudando de gênero (tango, dança latina …). Desta forma, os passos, os padrões dos braços, a velocidade e os ritmos mudavam a cada semana para mantê-los Como um processo de aprendizagem constante “, esclareceu Rehfeld,” o aspecto mais difícil para eles era lembrar as rotinas sob a pressão do tempo e sem qualquer pista do instrutor. ”

Segundo os pesquisadores, esse desafio adicional no grupo de dança explicaria a diferença perceptível entre o equilíbrio desse grupo e os do grupo controle com exercícios tradicionais e a melhora dos sintomas de deterioração cognitiva associados à idade.

Ele concluiu: “A atividade física é um dos fatores do estilo de vida que pode contribuir para uma vida saudável pelo maior tempo possível, contrabalançar vários fatores de risco e diminuir o declínio relacionado à idade. novos desafios para o corpo e mente, especialmente na velhice “.

Fonte: Conti Outra

24 dez

Mais um ano se despede e a sensação de dever cumprido está muito presente em nossos corações.

Gostaríamos de agradecer a confiança, o empenho e o amor de toda a equipe Nossa Casa e também os familiares que fazem toda a diferença no dia a dia de nossas hóspedes.

Fechamos o ano com chave de ouro com a participação dos Corais, Canto Livre e também Iluminatto. Foi muito emocionante!

Coral – Nossa Casa

 

E que em 2.019 possamos fazer ainda mais!

Feliz Natal e um incrível Ano Novo.

Página 2 de 1912345...10...Última »